Técnico-Administrativos em Educação da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) decidiram por entrar em greve, por tempo indeterminado, a partir desta quinta-feira (28). A deliberação foi tomada durante uma assembleia da categoria, em frente à reitoria da instituição.
 
Segundo o Sindicato dos Trabalhadores nas Instituições Federais de Ensino de Belo Horizonte (Sindifes/BH), a paralisação é uma adesão ao movimento nacional, convocado pela Federação dos Sindicatos dos Trabalhadores das Universidades Públicas Brasileiras (Fasubra). Servidores de outras universidades federais, como os do Cefet-MG, também devem adotar medidas semelhantes.
 
As principais reivindicações dos servidores são: a  reposição salarial e aumento de 27,3%, aprimoramento da carreira, manutenção das conquistas, reconhecimento de títulos fora do país, efetivação do plano nacional de capacitação, melhoria das condições de trabalho, redução da jornada de trabalho para 30 horas, sem ponto eletrônico e redução de salário, suspensão de cortes orçamentários, estabelecimento de Data-base em 1º de maio, entre outros pedidos.
 
A assessoria de imprensa da UFMG ficou de se posicionar sobre a paralisação ainda nesta quinta-feira.