O ex-goleiro Bruno Fernandes de Souza teve negado o pedido para voltar a trabalhar, após ser transferido para a Penitenciária Nelson Hungria, em Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. A decisão foi anunciada nessa quarta-feira (13).  

O juiz da Vara de Execuções Penais de Contagem, Wagner de Oliveira Cavalieri esclareceu que a administração das vagas de trabalho interno compete à autoridade penitenciária, cabendo a ele intervir somente em caso de alguma irregularidade. Ele explicou ainda que o fato de o número de vagas nem sempre ser suficiente, faz com que a administração da penitenciária distribua as vagas por aptidão e ordem cronológica. Assim, quando Bruno solicitou sua transferência para outra unidade, acabou perdendo a vaga de trabalho, que foi preenchida por outro preso.

“Determinar a colocação do sentenciado B., de forma imediata, em vaga de trabalho, implicaria em odioso tratamento privilegiado, o que feriria certamente o direito de outros internos e a própria moralidade pública”, afirmou Wagner Oliveira Cavalieri.

O advogado do ex-goleiro, Tiago Lenoir, lamentou a decisão. "O trabalho é a base de qualquer ressocialização, negar isso a um detento, seja ele quem for, é lamentável. A sociedade precisa refletir sobre a crise no sistema carcerário", afirma o defensor que disse ainda que vai recorrer da decisão assim que avaliá-la.

Bruno foi para o Norte do Estado com o intuito de que pudesse voltar aos gramados, jogando com o Montes Claros Futebol Clube. Como os pedidos de trabalho externo e revisão de pena foram negados, a defesa do ex-goleiro fez nova solicitação pedindo a transferência para a Grande BH e foi atendido. A transferência para Contagem foi feita depois que ele teve a autorização de trabalho externo e o pedido de revisão de contagem de pena negados em 3 de novembro. "Não justificava deixá-lo longe da família”, disse Lenoir na época.
 
Bruno estava no presídio de Francisco Sá, no Norte de Minas Gerais, desde 26 de junho deste ano. Antes, ele cumpria pena na Nelson Hungria desde julho de 2010. O ex-goleiro foi condenado pela morte e ocultação de cadáver da ex-amante Eliza Samudio.