A Polícia Civil de Montes Claros, no Norte de Minas Gerais, investiga um esquema de golpes aplicados em candidatos à obtenção da Carteira Nacional de Habilitação (CNH). Na manhã desta terça-feira (20), um instrutor e uma aluna foram presos por corrupção ativa, ao oferecer propina para um examinador facilitar o acesso ao documento.
 
Segundo a coordenadora da banca examinadora de Montes Claros, delegada Gislaine Velozo, por volta das 7h, antes das avaliações começarem, um instrutor se aproximou de um examinador e ofereceu dinheiro para ele, caso aprovasse uma candidata no exame. O policial civil então perguntou quem seria a aluna e em qual carro.
 
Após a identificação, o examaminador comunicou o fato à delegada, que deu voz de prisão aos dois por corrupção ativa. Eles foram levados para a Delegacia de Plantão, onde foram autuados em flagrante. “Neste crime não precisa pagar, apenas oferecer já configura o crime. A aluna tinha pago R$ 1.500 para conseguir a CNH, uma vez que tentava o documento pela quarta vez”, explicou a Velozo. O nome dos acusados não foi divulgado.
 
A delegada disse que vários instrutores e outros estelionatários estão sendo investigados na cidade por enganarem os candidatos, que agem de duas formas. 
 
“A primeira é por oferta direta de dinheiro ou vantagem ao examinador. A segunda é aproximar de alunos mais vulneráveis e oferecer facilidade na obtenção da CNH, em troca de um valor. Essa vítima faz o exame normalmente e, se passar, ela é ludibriada a acreditar que passou em função do esquema e não do mérito próprio. Se não conseguir, o valor é devolvido com a alegação que o processo não foi possível”, disse Gislaine Velozo.