Foi oficializada, nesta sexta-feira (12), a candidatura do Conjunto Moderno da Pampulha ao título de Patrimônio Cultural da Humanidade. Durante solenidade no Museu de Arte da Pampulha (MAP), o prefeito Marcio Lacerda entregou à presidente do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), Jurema Machado, um dossiê de 500 páginas.
 
Ainda neste mês de dezembro, o documento deverá ser encaminhado à Unesco. A estimativa é de que ele seja avaliado nos próximos 18 meses e, só então, o resultado seja anunciado.
 
Segundo a presidente do Iphan, Jurema Machado, em 2015, o conjunto arquitetônico da Pampulha - que inclui os edifício s e jardins da Igreja de São Francisco de Assis, o cassino (atual MAP), a Casa do Baile (hoje Centro de Referência em Urbanismo, Arquitetura e Design de Belo Horizonte), o Iate Golf Clube (atual Iate Tênis Clube) - passará por uma série de avaliações.
 
"Mas nós temos segurança de que os principais elementos para solucionar os problemas estão resolvidos", disse Jurema, referindo-se ao desassoreamento da lagoa.
 
Otimismo
 
Durante o evento, o prefeito de BH assegurou que existe tempo hábil para a prefeitura concluir os problemas remanescentes da lagoa. "Nós temos, inclusive, recursos financeiros reservados. Temos R$ 70 milhões exclusivos para esse trabalho, além de recursos do PAC Cidades Históricas, que estão negociados com o governo federal".
 
Para o presidente da Fundação Municipal de Cultura, Leônidas de Oliveira, o conjunto da Pampulha já é patrimônio da nação e do mundo, conforme reconhecimento de técnicos estrangeiros que estiveram na capital mineira. 
 
"A oficialização colocará Belo Horizonte em um outro patamar de internacionalização por meio da arquitetura e, consequentemente, da cultura mineira. A própria modernidade que aqui se instaura tem inspiração na nossa tradição colonial", afirmou.