Uma colher de sopa de cenoura ralada, folhas de alface, quatro fatias de tomate e a mesma quantidade de pepino. Some a isso uma maçã e uma banana médias, oito morangos e 12 uvas. Achou muito? Enganou-se. A quantidade é o que se recomenda ingerir, por dia, para manter uma rotina saudável e ser mais feliz. É o que aponta uma pesquisa realizada na Universidade de Queensland, na Austrália.

O estudo mostrou que o consumo diário de ao menos oito porções de frutas, legumes e verduras é capaz de dar mais saúde física e mental e aumentar o sentimento de felicidade das pessoas. Médicos e nutricionistas explicam o porquê: uma alimentação equilibrada, rica em vegetais diversificados, ativa as reações orgânicas que fazem o corpo funcionar perfeitamente. O resultado de tudo isso são células e hormônios a pleno vapor e um organismo 100% nutrido e saudável.

Equilíbrio

A recomendação é distribuir as porções (entende-se por porção cerca de 150 gramas de frutas ou legumes – ou duas colheres de sopa) ao longo das refeições, combinando os nutrientes encontrados nos alimentos verdes a fontes de proteína (carne e leite) e carboidrato (pães e massas).

“Dessa forma, garantimos pequenas cotas de cada nutriente ao longo de todo o dia. De uma vez só, o acúmulo pode não ser muito bem absorvido e o aproveitamento ficar prejudicado”, explica a nutricionista clínica e esportiva Raphaella Cordeiro.

À risca

Porcionar é exatamente o que faz o empreendedor Luiz Felipe Mendes, de 26 anos. Há dois anos seguindo à risca a mesma receita recomendada pela pesquisa australiana, ele vê os resultados não só na balança, mas na disposição, no dia a dia. “Eu era uma criança bem gordinha, então comecei a fazer regime aos 12 anos e, há dois, sigo uma dieta equilibrada. Minha saúde é muito boa, além disso, a melhora nos exercícios físicos e nos esportes é clara”, conta.

Tirando o tempo que passa dormindo, no restante do dia o que não falta é atenção e dedicação ao preparo e consumo de frutas e legumes. Ao todo, são sete porções religiosamente consumidas. Prático, Felipe simplifica: aposta em maçãs e bananas, que são fáceis de consumir e transportar, e no prato de legumes quase sempre vai de brócolis, cenoura e batata-doce.

Vem de berço

Assim como ele, a educadora física Juliana Sanna, de 31 anos, também ingere muitas folhas, verduras e uma variedade grande de frutas, diariamente. A rotina saudável, conta, aprendeu com a mãe. “Todo dia, tinha em casa sopa de legumes. Criei o hábito. Quando, por algum motivo, não consigo incluí-los nas refeições, fico bastante incomodada”, diz.

Médica especialista em nutrição e professora na UFMG, Isabel Correia aconselha, sempre que possível, consumir os alimentos in natura. Segundo ela, quanto mais preparado, menos preservados ficam os nutrientes. “Se for possível, prefira os crus ou preparados sem adição de gordura. Quanto mais você prepara o alimento, cozinha ou assa, por exemplo, mais ele perde nutrientes”, diz.

Mudança de hábitos na porta de casa

Higienizados, descascados, picados e embalados, em casa ou no trabalho. Se a preguiça e a falta de tempo falarem mais alto que a vontade de comer bem, não há desculpa: um delivery de frutas promete resolver a questão. Criado em BH há menos de um mês, o Clube da Fruta já é sucesso, o empurrãozinho que faltava para a mudança de hábitos. A ideia é simples: a pessoa escolhe o kit que deseja assinar (para solteiro, casal ou família) e recebe, uma vez por semana, durante 30 dias, uma caixa com todas as frutas para consumir. Os preços variam de R$ 98,90 a R$ 270.

“A ideia surgiu da demanda. De gente que não tinha tempo, mas queria adotar hábitos mais saudáveis e incluir as frutas na alimentação diária. Todas são selecionadas e entregues na casa do cliente, às terças-feiras, fresquinhas, embaladas em porções ou separadamente, a vácuo”, detalha Luciana da Cunha Menezes, proprietária da empresa.