A operadora de telefonia Tim foi condenada a indenizar uma agência de comunicação, de Belo Horizonte, em R$ 10 mil, por ter cobrado o valor da franquia de serviços da empresa por mais de um ano após a empresa ter efetivado a portabilidade de contratos. Além disso, a ré na ação ainda incluiu a vítima no cadastro de inadimplentes. A sentença foi proferida nesta terça-feira (21), pela  15ª Vara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG). A decisão ainda cabe recurso.
 
Segundo o processo, a agência Lápis Raro ajuizou ação declaratória de inexistência de débito com pedido de indenização por danos morais, alegando que em março de 2008 solicitou a portabilidade dos contratos de telefonia móvel para outra empresa. Disse ainda que, após a transferência, continuou a receber cobranças da Tim e ainda teve anotações restritivas de crédito.
 
Apesar de citada, a Tim não apresentou contestação, o que motivou a decretação de sua revelia. Consequentemente, conforme previsto no artigo 319 do Código de Processo Civil, os fatos alegados pela Lápis Raro foram considerados verdadeiros. Ainda assim, o juiz examinou as provas e observou que a empresa de comunicação “comprovou que os débitos que motivaram a inscrição indevida se deram no período em que já havia inclusive feito a portabilidade para operadora de telefonia diversa”.
 
O juiz também destacou que o detalhamento dos serviços cobrados não se referia a dados sobre a efetiva utilização, como ocorreu com a descrição das ligações, nos meses anteriores, mas incluía tão somente os valores fixos das franquias, o que, para o magistrado, corroborou as alegações da cliente. Assim, o juiz reconheceu a irregularidade da cobrança e da inscrição do nome da empresa em órgãos de proteção ao crédito e em decorrência, “a ofensa à pessoa jurídica pela imagem negativa que é repassada aos agentes do comércio.”
 
Ao estabelecer ou valor da indenização, o juiz considerou a abusividade do ato praticado pela Tim e o caráter pedagógico da indenização, entendendo ser razoável a quantia de R$ 10 mil. A sentença ainda determinou a expedição de ofício ao SPC/SERASA, comunicando-lhes o teor da decisão e determinando a exclusão definitiva da negativação do nome da empresa.
 
* (Com TJMG)