Em todo o país, no ano passado, 321 gays, lésbicas, travestis e transexuais foram assassinadas. Só em Belo Horizonte, 13 travestis e transexuais perderam a vida de forma violenta em razão da opção sexual. Para pedir o fim ao preconceito, cerca de 60 pessoas realizam neste sábado (17), Dia Internacional de Combate à Homofobia, passeata no Centro da capital.

Os manifestantes se concentraram na Praça Sete, passaram pela avenida Afonso Pena, onde fecharam duas pistas, seguiram pela Rua da Bahia, viraram na Augusto de Lima, e se dirigiram para a Praça da Estação. O protesto é pacífico e segue sem tumultos.

Segundo o presidente da Associação Brasileira de LGBT, Carlos Magno, o evento é diferente das marchas conta a Copa do Mundo. “É um ato de denúncia sobre preconceito, machismo e violência”, disse. Segundo ele, pessoas de quase 30 entidades distintas que defendem direitos LGBT e direitos humanos participam da passeata.