A Colômbia vai abrir um consulado temporário em Belo Horizonte às vésperas da Copa do Mundo para atender às demandas de seus torcedores que irão desembarcar na capital. Segundo o cônsul geral da Colômbia nas jurisdições do Sudeste e Sul do Brasil, Ramiro Navia, a previsão é de que desembarquem, aproximadamente, 30 mil colombianos no país. “Esse volume se deve principalmente à proximidade geográfica entre as duas nações e pela esperança de nossa seleção alcançar bons resultados, já que o time está jogando muito bem”, justifica o cônsul.

Segundo último levantamento da FIFA, o país está entre os cinco na lista de compras de ingressos para o Mundial, atrás do Brasil, Estados Unidos, Austrália e Inglaterra. "Estamos em fase de finalização do contrato imobiliário e, por isso, não podemos divulgar ao certo o local de funcionamento. Nesse ambiente, os torcedores colombianos poderão receber orientações e assessoria, como, por exemplo, a expedição de segunda via de documentos”, relata.

Depois de 15 anos de espera, a Colômbia voltará a disputar uma Copa do Mundo. No maior torneio de futebol do planeta, a equipe encabeça o Grupo C, que conta com Grécia, Costa do Marfim e Japão. O palco para a estreia será o Mineirão, num duelo marcado para o dia 14 de junho contra os gregos.

Diante da tão aguardada classificação para o Mundial, os colombianos prometem marcar presença nos estádios. O engenheiro eletrônico Guillermo Andrés Rodriguez Cantor, de 31 anos, mora em Bogotá e já garantiu os ingressos para acompanhar de pertinho todas as partidas da seleção de seu país. “Estive na Alemanha em 2006 e já foi uma grande festa. Acompanhei o movimento nas ruas e compartilhei com a felicidade das torcidas. Agora, em minha primeira Copa vibrando pela Colômbia, serão duas emoções juntas. A primeira por poder vivenciar esse grande evento e, depois, por assistir aos jogos do meu país”, relata. Partidas que, segundo o engenheiro, prometem ser bem disputadas. “O time cafetero está num ótimo momento e, mais que Falcão, eu acho que James Rodriguez vai ser o melhor jogador da Copa do Mundo. Ele é muito inteligente e tem facilidade de gol”, defende.

Sobre as referências do futebol brasileiro, Guilhermo se lembra do pai contando as histórias de Garrincha, ídolo brasileiro que escreveu rápido capítulo na cidade de Barranquillas. “Um dos melhores jogadores da época”, relembra sobre os comentários do patriarca. Na atualidade, ele destaca as habilidades dos atacantes Jô (Atlético Mineiro) e Fred, que defende a camisa fluminense.

Colombianos em terras mineiras

O gramado do Gigante da Pampulha é velho conhecido do colombiano Víctor Hugo Aristizabal Posada, para o mundo do futebol, apenas Ariztizabal. O craque viveu momentos de glória vestindo a camisa do Cruzeiro Esporte Clube. Em sua passagem por aqui, na temporada de 2003, faturou a tríplice coroa (Mineiro, Copa do Brasil e Brasileiro). “O jogo mais inesquecível no Mineirão foi o da final da Copa do Brasil, num duelo contra o Flamengo”, relembra o ídolo celeste. Ele foi o responsável por um dos três gols feitos naquela histórica noite. “Minha passagem pelo Cruzeiro foi demais. Sempre vou lembrar deste time pelo resto da minha vida”, afirma o ex-jogador.

Outro colombiano, o volante Freddy Rincón, também passou pelos times mineiros. No Cruzeiro, jogou em 2001 e, após o fim da carreira, chegou a trabalhar na comissão técnica do Atlético. Em entrevista recente concedida à Fifa, Ríncon garantiu que jogar no Brasil é motivador e que esta afinidade é positiva em campo. “Os colombianos conhecem bem o país, que não é tão diferente do nosso. Tenho certeza que a Colômbia será muito bem recebida e se sentirá em casa", completou.

O motivo para que a conterrânea de Ariztizabal e Ríncon, Alejandra Vanegas, desembarcasse em Minas foi outro. Aluna do curso de enfermagem, ela está há dois meses por aqui para estudar, aprender e conviver com pessoas de uma cultura diferente. “O Brasil é visto pelas pessoas da América do Sul como uma grande potência e, por isso, tinha muito interesse de vir para cá. Aprender o idioma também era meu desejo”, conta a estudante, que frequenta aulas para estrangeiros da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Paralelamente ao curso, a jovem faz estágio num posto de saúde no bairro Heliópolis, na região Norte de Belo Horizonte. “Estou apaixonada por Belo Horizonte. Adoro o tempero e tiro foto de tudo que como pra mostrar pra minha família. Minha vontade era levar uma cozinheira daqui pra minha casa na Colômbia”, brinca a estudante. “Também gosto do jeito do mineiro falar e cumprimentar as pessoas, tipo: você está jóia?”, ensaia.

Com informações da Agência Minas.