O casarão da rua Manaus, no bairro Santa Efigênia, região Leste de Belo Horizonte, foi cedido ao grupo que ocupa o imóvel desde outubro deste ano. O acerto foi formalizado nesta quarta-feira (18), em reunião que contou com a participação de representantes do Governo, Ministério Público e líderes dos ocupantes. 

O imóvel, após reforma, se transformará em um espaço cultural e educacional. Conforme o Hoje em Dia divulgou com exclusividade, o casarão tombado abriga um sítio arqueológico urbano com vestígios de tortura nos pacientes psiquiátricos 4. O Governo de Minas é o proprietário do prédio construído em 1913. 
 
Segundo Rafael Barros, representante do Espaço Comum Luiz Estrela, as obras de reformas do imóvel deve começar em abril do próximo ano. “O conselho deliberativo municipal do Patrimônio Histórico aprovou, nesta quarta, a liberação de um recurso para a reforma da fachada e do telhado. Vamos esperar o período chuvoso passar para iniciar as obras”, garante ele. 
 
Segundo o governo, a cessão será celebrada junto a uma instituição da sociedade civil organizada indicada pelo grupo, que deverá formalizar a solicitação e encaminhar a documentação necessária até esta quinta-feira (19), com vistas à elaboração do Termo de Cessão. 
 
Após os trâmites burocraticos, os manifestantes assumirão a execução das obras emergenciais e também a reforma do imóvel. O projeto para implementar no local um centro artístico-cultural, destinado ao desenvolvimento de atividades nas diversas áreas das artes (música, artes cênicas, artes visuais e audiovisuais), com a participação da comunidade já foi apresentado ao governo. O documento contempla, ainda, a realização de intervenções emergenciais e restauração do imóvel, que é tombado pelo patrimônio municipal.
 
Até o término das obras emergenciais – que devem durar até julho de 2014 –, o Governo  também concedeu a utilização de uma quadra localizada ao lado do casarão da Fhemig para que os manifestantes continuem realizando as suas atividades culturais e artísticas.
 
Histórico do imóvel
 
O casarão da rua Manaus, de propriedade da Fhemig, foi construído em 1913 e por muitos anos abrigou a antiga sede do Hospital da Polícia Militar. Em julho de 2013, o imóvel foi cedido para a Feluma por um período de 20 anos para a implantação de um memorial em homenagem ao ex-presidente da República, Juscelino Kubitscheck de Oliveira, que chegou a trabalhar no local. Em outubro, o imóvel foi ocupado por manifestantes, que reivindicavam a destinação do prédio.