A forte chuva que atinge Capelinha há dois dias deixa os moradores da região do Vale do Jequitinhonha em situação de alerta. No município, 40 famílias estão desalojadas, pontes que dão acesso a cidade foram destruídas e até o fornecimento de água na região está comprometido. 

Nesta terça-feira (17), a situação se agravou com o rompimento de uma adutora da Companhia de Saneamento Básico de Minas Gerais (Copasa) no Ribeirão Sena. Parte do abastecimento de Capelinha ficou comprometida. Segundo a Prefeitura, técnicos da Copasa e funcionários do município trabalham para reparar os estragos.

A Prefeitura de Capelinha, que decretou situação de emergência no último dia 6 de dezembro, estima que a precipitação tenha causado um prejuízo de R$ 3 milhões no município.

Entre os locais mais afetados estão os bairros São Geraldo e Piedade, onde foi registrado o desabamento de 30 casas. “Por sorte ninguém ficou ferido, mas há muitos anos não registramos na cidade um prejuízo tão grande em decorrência das chuvas”, disse o coordenador da Coordenadoria Municipal de Defesa Civil (Comdec) de Capelinha, Ronaldo Bueno Lopes. De acordo com a Comdec, outras cinco casas correm o risco de desabar.

Em pelo menos 20 comunidades rurais de Capelinha, o acesso está precário. Parte das estradas de terra cederam e pelo menos seis pontes foram danificadas ou completamente destruídas devido à força das águas.

Conforme dados da Comdec, em 48 horas choveu mais de 165 milímetros na região, quantia estimada para todo o mês de dezembro. Por causa da precipitação, o volume de água dos rios São Lourenço e Itamarandiba e do Córrego Areão subiram mais de cinco metros, o que ocasionou inundações em vários pontos da cidade.

Parte das ruas do centro da cidade ficou tomada por lama e buracos. Comerciantes que reforçaram o estoque para as festas de fim de ano também tiveram prejuízos. “Parte da mercadoria que estava exposta foi perdida. Um prejuízo incalculável”, disse a empresária Maria das Mercês, de 42 anos.

Situação de emergência

A Coordenadoria de Estado de Defesa Civil (Cedec) informou que seis municípios decretaram situação de emergência em decorrência das chuvas. O último foi Capelinha.

Além dos estragos materiais, a Cedec confirmou oficialmente a morte de duas pessoas em decorrência das chuvas que atingem o Estado neste ano. As vítimas foram o trabalhador rural Romário Rocha Cazarim, de 21 anos, que faleceu depois de ser atingido por uma descarga elétrica em Astolfo Dutra, na Zona da Mata, e Victória Carolina Moreira, de 12, que morreu após um barranco deslizar sobre o quarto em que ela dormia, em Caratinga, no Vale do Rio Doce. As vítimas do desabamento ocorrido em Sardoá, também no Leste de Minas, nesta terça-feira, ainda não foram registradas pelo órgão.

Veja as imagens da destruição em Capelinha