Seis detentas que estão no Complexo Penitenciário Feminino Estevão Pinto (Piep), no bairro Horto, região Leste de BH, vão produzir material gráfico dentro da unidade prisional.

Dois galpões, construídos a partir da parceria de uma gráfica digital com o governo do estado, onde funcionará a central de produção, serão inaugurados na tarde desta segunda-feira (4).

De acordo com a Secretaria de Estado de Defesa Social (Seds), o local tem 300 metros quadrados e contou com um investimento de aproximadamente R$ 300 mil, dinheiro conseguido pelo setor privado.

As detentas fabricarão adesivos, placas, farão acabamentos em banners e lonas, dentre outros materiais. Em troca, elas receberão três quartos do salário mínimo pelo trabalho, como é estabelecido pela Lei de Execução Penal.

Atualmente, 356 mulheres estão na unidade prisional, que tem capacidade para 374 pessoas. Desse número, aproximadamente 200 fazem algum tipo de atividade remunerada, como faxina, construção civil e artesanato.

A ideia é que, já nos próximos dois meses, o número de trabalhadoras chegue a 10 e continue aumentando gradativamente. Ainda segundo a Seds, também existe a possibilidade de o projeto ser implantado em outras unidades prisionais.

Atualmente, outros presídios já oferecem serviços semelhantes em Minas. Em Santa Rita do Sapucaí, no Sul do estado, por exemplo, um projeto usa as pedaladas dos detentos para a geração de energia.