A corrupção mata de sede o Norte de Minas, afirmou este jornal na edição deste domingo. Auditoria do Tribunal de Contas da União mostrou que mais da metade das famílias mais pobres nessa região semiárida não tem acesso à água potável. Não deveria ser assim. O governo federal destinou muito dinheiro ao programa Brasil sem Miséria, gerenciado pelo Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), para ajudar famílias com renda per capita de até 70 reais por mês.

Se o dinheiro tivesse sido bem aplicado, teriam sido construídas cisternas para captação de água da chuva, e o problema na região seria menos grave do que atualmente, quando mais de 74% dos animais estão ameaçados de morrer por falta de água. Há três semanas, a Polícia Federal verificou que toda a verba destinada para tal finalidade no Norte de Minas havia sido desviada por uma quadrilha formada por criminosos de colarinho-branco.

No dia 9 de setembro último, 22 pessoas foram presas pela PF, suspeitas de desviarem em cinco anos R$ 400 milhões em dez estados – com destaque, porém, para o Norte de Minas. Entre os suspeitos, o ex-diretor do Instituto de Desenvolvimento do Norte e Nordeste de Minas Gerais (Idene), Walter Antônio Adão, e o presidente do Instituto Mundial do Desenvolvimento e da Cidadania (IMDC), Deivson Oliveira Vidal. Também prefeituras estariam envolvidas no esquema, como as de Januária, São João da Ponte, Coração de Jesus e Taiobeiras.

Essa foi mais uma, numa sucessão de operações policiais visando punir corruptos no Norte de Minas. Dois meses antes, na Operação Violência Invisível, que apurava fraudes em licitações públicas, foram apontadas outras prefeituras envolvidas no crime: Janaúba, Montes Claros e Pirapora.

O problema é que os culpados quase nunca são punidos, o dinheiro desviado raramente é devolvido e a fome e a sede no Norte de Minas continuam. Para piorar, o dinheiro não alcançado pela corrupção não chega a seu destino por questões burocráticas, como mostrou também a reportagem deste domingo.

Neste mês, a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) iniciou mais uma operação de envio de arroz beneficiado do Programa de Ajuda Humanitária Internacional. Serão embarcadas 438 toneladas do grão para a Etiópia e 470 para Honduras. Mas a Conab não consegue entregar a produtores do Norte de Minas, na época necessária, o milho que eles compraram da estatal. Sem o alimento, o gado morre ou a produtividade despenca.