A detecção precoce de doenças graves é fundamental para o sucesso do tratamento. Nesse sentido, Minas Gerais terá um novo aliado. A partir da segunda quinzena de agosto, pacientes voluntários com câncer de próstata serão submetidos a exames de imagem com uma substância radioativa testada pela primeira vez no Brasil em humanos, a \[18F\] Fluorcolina.

Segundo o professor Marcelo Mamede, coordenador de Medicina Nuclear do Centro de Imagem Molecular (Cimol) da Faculdade de Medicina da UFMG, a toxicidade e a biodisponibilidade da substância radioativa já foram avaliadas e aprovadas na primeira fase das pesquisas, realizada com animais. Na próxima etapa, serão avaliados os efeitos em voluntários humanos.

“O exame, que funciona como uma espécie de ‘contraste’, facilitará a visualização de alterações no corpo da pessoa. Além disso, será possível identificar se o câncer está localizado apenas na próstata ou em outros órgãos. Dessa maneira, poderemos avaliar o potencial da doença e direcionar com mais precisão o melhor tratamento”, esclarece Mamede.

Inicialmente, poderão participar dos estudos pacientes encaminhados pelos hospitais das Clínicas (UFMG) e Luxemburgo. Os testes deverão priorizar quem tem câncer de próstata, em determinados estágios da doença, pré-definidos. Mas a expectativa é a de que haja progressos na pesquisa com a substância radioativa.

Os testes serão feitos pelo Centro de Imagem Molecular (Cimol) e o Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia de Medicina Molecular (INCT-MM) da Faculdade de Medicina da UFMG, em parceria com o Centro de Desenvolvimento de Tecnologia Nuclear (CDTN).

Meio milhão

O Instituto Nacional do Câncer (Inca) projetou o surgimento de 520 mil casos de câncer no país em 2012 e 2013. O número faz parte da publicação “Estimativa 2012 – Incidência de Câncer no Brasil”, realizada a cada dois anos a partir das informações dos Registros de Câncer de Base Populacional (RCBP).

A previsão é a de que, entre os homens, o câncer de próstata continue sendo o mais comum, seguido pelo de pulmão, cólon e reto, estômago, cavidade oral, laringe e bexiga.