A sede da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf), em Montes Claros, no Norte de Minas Gerais, foi ocupada por manifestantes nesta quarta-feira (10). Os participantes do ato, em torno de 150 pessoas, invadiram o órgão federal, que fica avenida Geraldo Athayde, no bairro São João, no começo da manhã.
 
O protesto é acompanhado de perto pela Polícia Militar da cidade e é realizado de forma pacífica por integrantes do Sindicato dos Eletricitários (SINDELETRO), Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais (Sind-UTE/MG) e do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST).
 
De acordo com informações fornecidas por integrantes do MST, a manifestação tem como objetivo principal exigir que um acordo firmado entre a Codevasf e os atingidos pelos Projetos Gorutuba e Jequitaí, ambos no Norte do Estado, seja cumprido. “Já se passaram mais de três meses da última reunião e não recebemos nenhuma resposta do Governo Federal, enquanto isso estamos sendo pressionados e ameaçados de despejo”, disse Geraldo Pires, representante do MST.
 
O acordo prevê a marcação de reunião entre Ministério da Integração Nacional, Codevasf e atingidos em Brasília para a resolução das pautas específicas de ambos os projetos de irrigação administrados pela empresa. Além disso, foi firmado que uma proposta para a resolução dos conflitos na região seria apresentada durante o encontro.
 
Conforme os movimentos sociais que participam do protesto, a ocupação do órgão federal deve ser encerrada apenas nesta quinta-feira (11), quando uma reunião com representantes da Codevasf está marcada. Porém, o grupo ainda exige que o Governo Federal, por meio do Ministério da Integração Nacional em Brasília, abra diálogo e execute o acordo inicial, que foi assinado no dia 27 de março deste ano.