O Centro de Promoção e Assistência Social Ana Bernardina (Cepas) anuncia o início de um programa de apadrinhamento, uma maneira de obter recursos financeiros para cuidar de 218 crianças e adolescentes e prestar assistência a 350 famílias que vivem no seu entorno. Criado na década de 1980, ele funciona no bairro Novo Aarão Reis, região Norte de Belo Horizonte. Outra opção para conseguir dinheiro as doações.

Atualmente, o Cepas tem uma despesa mensal de cerca de R$ 30 mil e receita fixa de R$ 14.400, valor repassado pela Prefeitura de Belo Horizonte (PBH). Segundo um dos coordenadores da instituição, Wesley Camilo, o restante é completado por doações de pessoas físicas e jurídicas. “Muitas vezes, precisamos tirar dinheiro do bolso para comprar coisas que a instituição precisa. Qualquer tipo de doação é bem-vinda”.

Até 2010, o Cepas funcionava somente aos sábados, oferecendo sopa e oficinas. A partir do ano seguinte, os trabalhos passaram a ser diários, em horário complementar ao da escola. “Se a criança ou adolescente estuda pela manhã, fica aqui na parte da tarde e vice-versa”, diz Camilo.

Enquanto estão no Cepas, os assistidos, com idade entre seis e 18 anos, têm aulas de grafite, dança -hip-hop, balé clássico e contemporâneo e jazz - e de teatro, além de práticas esportivas. Professores, assistentes sociais e psicólogos, 12 no total, atuam no local.

“Precisamos qualificar nosso grupo. 90% dos funcionários têm curso superior e queremos qualificar todos ainda mais. Por isso as doações são importantes”. O presidente e a vice do Cepas são médicos e atuam como voluntários”.

Nova Sede

O Cepas ganhou um lote da PBH, no Novo Aarão Reis, para construir a nova sede, mas a falta de parceiros impede a intensificação da obra. Caso ela seja construída, o espaço atual, 200 m2, será triplicado, possibilitando atendimento a 1.200 crianças e adolescentes e assistir a 1.500 famílias.

As famílias cadastradas têm acesso à palestras de saúde, social e financeira. O coordenador esclarece que doações para instituição ou para nova sede têm recibo, cujo valor é dedutível do Imposto de Renda.


Leia mais na Edição Digital