A Polícia Civil recuperou, nesta quarta-feira (12), uma carga de remédios avaliada em R$ 1,6 milhões durante uma operação em Juiz de Fora, na Zona da Mata. Três homens apontados como membros de uma quadrilha especializada em roubos de carga foram presos durante a ação. Para não serem identificados pelos proprietários das empresas, os suspeitos  utilizavam um equipamento que bloqueia rastreadores de veículos.
 
Segundo a PC, ocorrências de roubos de carga na região da Zona da Mata já eram monitorados pela Divisão Especializada de Operações Especiais (Deoesp) de Belo Horizonte há cerca de dois meses. Na última segunda-feira (10), um caminhoneiro acionou a polícia para informar que a carga de remédios que transportava havia sido roubada na BR-116, em Caratinga, no Vale do Rio Doce. No entanto, os policiais desconfiaram de alguns fatos relatados e passaram a monitorar o homem. 
 
Nesta quarta-feira, os investigadores seguiram os passos do motorista suspeito, José Odilon Xavier, de 60 anos, até Leopoldina, na Zona da Mata. Lá, ele se encontrou com dois homens e foram abordados pelos policiais no momento em que negociavam o pagamento de uma carga de remédio, a mesma que Xavier havia relatado como tendo sido roubada.
 
Os três foram presos em flagrante e o motorista negou que teria participação no crime. No entanto, Luiz Antônio Lopes de Oliveira, de 65 anos, um dos detidos na operação, além de confessar seu envolvimento, entregou Xavier. O outro preso, Hélcio Faria Cirino, de 28, também confessou o crime e informou que os remédios estariam em Juiz de Fora, também na Zona da Mata. 
 
Na cidade indicada, os investigadores encontraram o veículo carregado com os medicamentos, além de outras quatro carretas, cinco carros, um furgão, e um jammer, aparelho utilizado como bloqueador de rastreadores de veículos. O local era usado para troca de cargas roubadas de veículos de transporte. Já os suspeitos devem ser indiciados por furto, apropriação indébita, falsa comunicação de crime, receptação e formação de quadrilha.