A Corregedoria Geral da Polícia Civil assumiu, nesta segunda-feira (6), as investigações sobre o caso em que dois irmãos teriam sido baleados por um delegado durante uma briga dentro do Bailão Sertanejo, na Região de Venda Nova. 

O órgão conduzirá o inquérito porque testemunhas citaram que o delegado Gustavo Garcia Assunção, de 29 anos, seria o suspeito dos disparos durante uma confusão que deixou três feridos na casa noturna, na madrugada de domingo (5). Gustavo é filho do dono do estabelecimento. 
 
Depois de ser levado para a delegacia de plantão, o policial, em depoimento, negou que tenha atirado durante a confusão. A arma que pertencente à Polícia Civil foi apreendida e encaminhada para a perícia. Nesta terça-feira, o delegado Daniel de Andrade Ribeiro Teixeira, da Corregedoria, ouvirá mais pessoas, prosseguindo com as apurações que possam esclarecer o caso e apontar os envolvidos.
 
Entenda o caso
 
Um homem de 18 anos foi baleado e outras duas pessoas ficaram feridas ao levarem garrafadas durante uma confusão, que começou por volta das 4 horas, no Bailão Sertanejo. Segundo a Polícia Militar, a irmã de Tiago de Souza Martins, de 18 anos, que levou um tiro na cabeça e outro no pescoço, e de Elias de Souza Martins, de 22, que foi atingido por garrafas no pescoço e na face, contou que os seguranças teriam se armado com as garrafas e partido para cima dos irmãos. 
 
Após o tumulto, Tiago foi socorrido baleado com dois tiros. Ele continua internado em estado grave na UTI do Hospital de Pronto-Socorro João XXIII. Elias foi levado para o Hospital Risoleta Tolentino Neves. Ele já recebeu alta. Um amigo dos irmãos também foi atingido pelas garrafas, mas após receber atendimento médico foi liberado. 
 
Segundo a PC, durante o depoimento, o delegado apontou um policial militar, de nome Sérgio, como responsável pelos tiros. O sargento suspeito de balear o jovem trabalhava no local como segurança, mas ainda não se apresentou para prestar esclarecimentos.