GOVERNADOR VALADARES – Governador Valadares é destino obrigatório no chamado “tour do fila brasileiro”. Criadores de vários países vão à cidade, todos os anos, interessados na genética desses cães, considerados de extrema pureza. O município é referência internacional na preservação da raça.

Filhotes são embarcados com frequência pelas companhias aéreas, levando junto ao pedigree o “certificado de valadarense”, condição cada dia mais valorizada e fortalecida, inclusive por meio de pesquisas.

O veterinário Aníbal Felipe Silva, proprietário do Canil Filas de Fazenda, é um dos criadores que investem na raça. Há algumas semanas, estava com 21 animais – 14 deles filhotes de uma mesma ninhada – sendo preparados para “ganhar o mundo”.

Cada filhote foi vendido ao preço médio de R$ 1.800. Não há registro oficial do número de animais que deixam a cidade, mas, segundo o veterinário, doutor em Ciência Animal pela Universidade Federal de Minas Gerais, o que importa é a qualidade.

“Temos muitos proprietários (donos de cão), mas criadores (para fins comerciais e de preservação) são poucos. O alto padrão genético é que faz a diferença”, diz Felipe.
 
Ele já exportou filhotes para a República Tcheca, Coreia do Sul, Estados Unidos, Peru, Sérvia e Espanha.

“Nossos animais vão muito para o exterior e, por isso, Valadares se tornou conhecida, parada obrigatória no turismo internacional do fila”, diz.

O “tour” é permanente e ganha força durante circuitos nacionais e internacionais que acontecem no país. O fila foi a primeira raça brasileira reconhecida internacionalmente. Por não ceder a ameaças, ser forte, fiel ao dono e ter ojeriza a estranhos, é um dos cães mais procurados para a guarda.

Leia mais na Edição Digital.