O pedreiro Paulo Sérgio Vieira, de 33 anos, apontado pela polícia como o principal suspeito de ter matado a própria mulher, a doméstica Edinalva Ferreira da Silva, 27 anos, foi apresentado nesta quarta-feira (27). O crime ocorreu em Brighton, Massachusetts, nos Estados Unidos, em setembro de 2011. Ele foi detido em Sobrália, no Vale do Rio Doce, no dia 15 do mês passado e está cumprindo prisão temporária. 

O assassinato passou a ser investigado pela polícia americana depois que o corpo da mulher foi encontrado, já em estado de decomposição, dentro do apartamento onde morava com o marido. Os peritos americanos constataram que a doméstica havia sido espancada e ferida com um objeto perfurante na cabeça, o que causou sua morte. Quando o corpo foi encontrado, o marido de Edinalva já havia viajado para o Brasil e foi apontado como suspeito de ser o autor do crime.
 
Durante a apresentação na Divisão de Homicídios e Crimes Contra a Vida, Paulo Sérgio Vieira negou todas as acusações. Perguntado se era o homem que havia matado a mulher e depois viajado às pressas para o Brasil, ele negou e disse que havia feito uma viagem que havia planejado, de retorno para Sobrália, depois de passar muitos anos nos Estados Unidos. 
 
Ele alegou, também, que "não tinha motivos para matar a Edinalva e que a morte dela aconteceu depois que ele havia viajado". O pedreiro afirmou que "gostava muito dela", o que levou os policiais a questioná-lo sobre porque ele viajou repentinamente para o Brasil, pagando uma alta tarifa de viagem. Além disso, segundo a polícia, em Minas Gerais ele tentou resgatar dinheiro da mulher que estava depositado em um banco de Sobrália e nao compareceu quando o corpo foi velado e depois sepultado nessa cidade. O suspeito alegou que esse comportamento se devia às desconfianças dos parentes da doméstica. "Eles me acusavam de ter matado a Edinalva".
 
O homem, que está recolhido no Ceresp São Cristóvão, não poderá ser extraditado para os Estados Unidos porque é brasileiro nato. Apesar disto, e da existência do inquérito instaurado e presidido pelo delegado Frederico Abelha, outro inquérito permanece em aberto em Brighton e poderá ser encerrado depois que a Polícia Civil de Minas remeter para aquele condado cópias dos depoimentos do pedreiro e de testemunhas ouvidos em Belo Horizonte. 
 
O delegado afirmou que o pedreiro foi indiciado por crime de homicídio premeditado, com agravantes. Paulo Sérgio Vieira teria iniciado a premeditação quando se encontrou com amigos brasileiros, avisando que iria voltar para o Brasil para abrir um negócio em Sobrália e telefonado para a patroa de Edinalva para avisar que "ela (a doméstica) ia faltar ao serviço durante 15 dias". 
 
Além disto, depois de supostamente matar a mulher, ele informou para familiares da doméstica que ela estava sem telefones celular e fixo e, por isto, não podia ser contactada. Se o pedreiro for a julgamento em Minas, poderá ser condenado a uma pena de 12 a 30 anos de prisão. Se ele fosse julgado em Brighton estaria sujeito a ser condenado a uma prisão perpétua.