Após quatro décadas de exercício de criatividade e pura ousadia, o “enfant terrible” da moda, Jean Paul Gaultier deu adeus às coleções de prêt-à-porter. Em apresentação no último domingo (28)  na Semana de Moda de Paris, o estilista francês - criador do famoso corselete com sutiã cônico usado por Madonna, e que vestiu seus homens com saias – foi ovacionado e, sob uma chuva de confetes, se despediu do público. 
 
O último desfile de Gaultier aconteceu na majestosa sala do cinema Gran Rex de Paris, a maior da Europa, e seguiu no ritmo de concurso de beleza. Ao som da musa Madonna, as modelos encararam performances variadas de jornalistas conhecidas como Carine Roitfeld, Suzy Menkes, e com final disputado por Anna Cleveland e Coco Rocha, que desfilaram o emblemático sutiã de cone. A apresentação, com duração de 40 minutos, teve ainda saquinhos de pipoca e e toda a criatividade do estilista - as modelos usaram trajes Miss Mulher de Jogador de futebol, Miss Tour de France, Miss Smoking. 
 
O rebelde Gaultier, que sempre fez de suas criações ícones lúdicos, utilizou influências variadas em seu último desfile. Desconstruiu o terno masculino de listras, introduziu o estilo de rua e esportivo inspirado nos ciclistas da Volta da França e prestou homenagem à cultura francesa. 
 
Após oito anos de criação para a casa Hermès, o irreverente Gaultier ingressou no exclusivíssimo clube da alta-costura, inacessível para a maioria dos mortais.
 
A profícua carreira do estilista vai percorrer o mundo e terminará, em 2015, com uma mostra no Grand Palais de Paris.
 
O irreverente Gaultier dá adeus ao prêt-à-porter