Mais cedo, Jovane Silva já havia feito história ao chegar à final da espada nos Jogos Paralímpicos de Londres. Mas o brasileiro foi além e conquistou o ouro inédito ao bater o atleta de Hong Kong, Chik Sum Tam, por 15 a 14. A previsão do Comitê Paralímpico Brasileiro era de que Jovane, único representante do Brasil na esgrima, ficasse entre os 15.
 
Apesar do feito histórico, a trajetória do paratleta na competição começou complicada. Eliminado nas quartas de final do florete, ele iniciou sua caminhada na espada com derrota por 5 a 0 para o bielorrusso Mikalai Bezyazychny.
 
Nas rodadas seguintes, o brasileiro se recuperou e passou, sem dificuldades, pelo polonês Grzegorz Pluta, por 5 a 2; e pelo russo Alexandr Kurzin, por 5 a 3, mas voltou a perder na quarta e última partida da primeira fase: 5 a 2 para o canadense Pierre Mainville. Já na fase mata-mara, Jovane conseguiu a revanche sobre o mesmo canadense, vencendo-o por 15 a 6 e garantindo vaga nas quartas, onde derrotou o francês Marc-Andre Cratere por 15 a 11 antes de eliminar mais um paratleta da França para chegar à inédita decisão.
 
A medalha de Jovane foi a 12ª de ouro do Brasil na competição (outras cinco em atletismo, cinco em natação e uma na bocha).