Vivendo a expectativa da decisão da Superliga, que acontece domingo, às 10h, no Maracanãzinho, contra o RJX, o oposto Wallace, do Sada/Cruzeiro, busca nos hobbies um alento para aliviar o nervosismo. “Viciado” em videogame, o jogador divide a paixão entre as pistas virtuais e os passeios em seu “carrão” para descansar a cabeça.

Dono de um Dodge Challenger 2008, o jogador – que, juntamente com o restante do time, chegou ao Rio de Janeiro, na noite de ontem – aproveitou o último dia em Belo Horizonte para dar uma volta em seu autêntico American Muscle Car. “De amanhã (quinta-feira, 11) até domingo, não vou poder mais dar umas voltinhas no meu carro. Por isso, tenho que aproveitar para andar um pouco e descansar a cabeça. Não aguento mais esperar. Estou nervoso e apreensivo para jogar essa decisão”, comenta Wallace.

A paixão pelos automóveis começou quando ele ainda era pequeno, mas, somente hoje, o jogador realiza o sonho de desfilar no volante de um dos carros mais desejados do mundo. “No começo, queria era ter o carro do ano. Com o passar dos anos, o salário melhorou, e pude sonhar em ter esses carros esportivos. Sei que é muito dinheiro, por isso, só tenho um, que é o que uso para me locomover”, explica o oposto, que já definiu a próxima meta: “Como todo apaixonado por carro, falta ter uma Ferrari”, brinca.

Outra distração que ajuda o jogador a aliviar a tensão é o videogame. No entanto, diferentemente do carro, essa o acompanhou ao Rio. “O videogame ajuda, mas não é a mesma coisa. Para se ter ideia, ontem (terça-feira), estava tão elétrico em casa que tive que ligar para o Rafa para jogar comigo”, comenta Wallace, referindo-se ao amigo e companheiro de equipe, o central reserva Rafael Martins.

Os amigos, aliás, são rivais quando o assunto é corrida. Nos dias de folga, vão ao Kartódromo Internacional de Betim para disputar quem, de fato, é o melhor piloto. “Eu sempre ganhava do Rafa, mas ele andou treinando e conseguiu me vencer uma vez. Mas vai ter volta. Depois da final, vou dar o troco”, brinca o oposto.