O atleta paralímpico sul-africano Oscar Pistorius, acusado de assassinar a namorada, tenta resolver de forma amistosa um conflito judicial com uma vizinha, que prestou queixa contra ele em 2009 por agressão, disse nesta sexta-feira o advogado do corredor.

"Há negociações confidenciais acontecendo e tentamos resolver o problema longe dos tribunais", disse à AFP Gary Pritchard, confirmando a informação que foi publicada no jornal Mail&Guardian.

Pistorius pede uma indenização por danos morais, explicou o advogado. Cassidy Taylor-Memmory, a vizinha que vivia no mesmo condomínio que o atletla, em Pretoria, o havia acusado de ter batido com violência uma porta na frente dela em 2009. A mulher fez uma queixa após ter sido hospitalizada para uma cirurgia no quadril, afirma o jornal Mail&Guardian.

Após a denúncia Pistorius foi detido em 12 de setembro de 2009 e ficou uma noite na delegacia. O atleta diz que apenas expulsou a vizinha, que estava bêbada, de sua casa. Ele contra-atacou na justiça pedindo-lhe 2,2 milhões de rands pelo dano sofrido e pela noite passada na delegacia.

A ironia do caso é que o policial encarregado da investigação é ninguém menos do que Hilton Botha, o investigador que supervisionou o início da investigação na casa de Pistorius em 14 de fevereiro, após o assassinato de sua namorada.

Pistorius garante ter matado Reeva Steenkamp acidentalmente após tê-la confundido com um ladrão.