A amarelinha fez bem a Alisson. Convocado para defender a seleção brasileira olímpica nos amistosos contra as seleções sub-23 do México e do Paraguai, o meia-atacante retornou ao time estrelado cheio de esperanças. Agradecendo ao "aprendizado" no período, o jogador agora quer manter a boa fase no Cruzeiro para, assim, continuar chamando a atenção de Alexandre Gallo, técnico da base canarinha. 
 
"Você acaba aprendendo um pouco mais também, convive com jogadores que atuam na Europa, aprende coisas novas. Agora tenho que assimilar tudo isso para ajudar o Cruzeiro novamente. A meta é fazer um belo trabalho no Cruzeiro e aproveitar as oportunidades na seleção", afirmou o atacante.
 
Vestir a camisa verde e amarela não é nenhuma novidade para o atacante. Em várias oportunidades, o meia-atacante já defendeu as seleções de base do Brasil. Porém, em nenhuma, ele havia atuado com a presença da torcida brasileira em grande número. E isso, para ele, foi um grande diferencial nessa última passagem.
 
"Acho que nas outras vezes foram diferentes por serem fora do Brasil. Desta vez pude sentir o gosto de jogar ao lado da torcida brasileira. Foi muito bacana. Quem sabe eu posso ser lembrado pelo professor Gallo", celebrou Alisson.
 
O meia-atacante aproveitou para destacar o trabalho feito pela comissão técnica celeste. Segundo ele, os profissionais da Raposa o ajudaram a recuperar a confiança, após a série de lesões que o deixou inativo de outubro de 2014 a meados de fevereiro deste ano. 
 
"Fico feliz pelo trabalho que eles vêm fazendo comigo e fizeram comigo. Estou reconquistando essa confiança. Foi uma experiência muito bacana ser convocado e fazer esses amistoso aqui também", agradeceu. 
 
Alisson foi titular na goleada brasileira sobre o México, por 4 a 1, na última sexta-feira (27).  No empate sem gols contra o Paraguai, no último domingo (29), o meia-atacante entrou na etapa final. Em ambas as ocasiões, o atleta celeste não conseguiu deixar sua marca.