Rafael Carioca precisou de milésimos de segundo para tomar uma decisão que mudou o destino do Atlético na vitória contra o Melgar-PER. O triunfo na estreia do Galo pela Libertadores, na noite desta quarta-feira (17), começou a ser construído pelos pés do volante, que iniciou a virada e creditou o golaço a dois fatores: à bola da competição e à altitude de Arequipa.

"Quando tocou para mim, não pensei duas vezes. Treinamos com essa bola duas vezes, sabíamos que ela pega um efeito ao contrário quando chega perto do goleiro. Acho que é a altitude, e o vento levou ela um pouco, e eu fui muito feliz", explicou Carioca, em entrevista ao canal Fox Sports.

Mas a altitude de 2.300 metros não foi só benéfica para o camisa 5. Ela acabou por prejudicar o rendimento físico do jogador, que sentiu tontura após a partida. Além disso, ele reclamou de cãibras e acabou sendo substituído no segundo tempo.

"Eu saí um pouco tonto, não sei se foi a altitude. Libertadores é sempre difícil jogar, ainda mais fora de casa. Acho que a equipe conseguiu buscar a virada, atingimos o resultado esperado. Estrear bem, vencendo fora de casa, é maravilhoso. É importante, até porque agora temos um jogo em casa e precisamos vencer, para chegar a seis pontos e encaminhar a nossa classificação", completou.