Em julgamento no Pleno do Superior Tribunal de Justiça Desportiva, na manhã desta quarta-feira (18), o volante do Atlético se sentiu aliviado. O jogador estará no confronto contra o São Paulo, quinta (19), após apenas ser advertido pela STJD. Ele foi novamente julgado pelas palavras fortes após a derrota para a Chapecoense, em agosto. O jogador poderia ser punido com um jogo de suspensão e não atuar no Morumbi.
 
Além do volante, Josué, Marcos Rocha e Eduardo Maluf foram absolvidos pelo tribunal. Carioca corria sério risco de ser punido por ter afirmado que o Galo foi vítima de "furto" da arbitragem na Arena Condá. Na derrota por 2 a 1, o clube mineiro teve Leonardo Silva expulso e sofreu o gol de Apodi de forma irregular - o lateral conduziu a bola utilizando o braço. Entretanto, Lucas Ottoni, advogado do Galo, ressaltou que a própria arbitragem reconheceu o erro e Carioca utilizou de vocabulário "chulo" para manifestar sua revolta.
 
"“O vocabulário do futebol é chulo e as expressões devem ser contextualizadas. O Atlético estava brigando pela liderança e a partir desse momento é que o clube balançou e o Corinthians deslanchou. Os atletas não podem ser apenados por manifestar opinião pessoal. Quanto ao atleta Rafael Carioca ele disse furto no sentido de que o Atlético foi prejudicado. Infelizmente (arbitragem) fizeram uma lambança. Em lances fáceis fizeram uma lambança e interferiram diretamente no resultado da partida. Não acho que seja justo retirar os atletas faltando apenas quatro rodadas para o fim do campeonato”, disse Ottoni.
 
Os personagens envolvidos em reclamações contra a arbitragem já tinha sido julgados pela Quinta Comissão Disciplinar do STJD em setembro. No entanto, a procuradoria da justiça do futebol entrou com um recurso para o julgamento ir para a última instância.