Depois da Lupo, o Atlético se prepara para ser o carro-chefe de outra empresa com ambição em entrar no mercado do futebol. A Dry World, fundada por dois antigos jogadores de Rugby do Canadá, foi fundada há cerca de cinco anos. A assessoria do clube mineiro confirmou que há conversas adiantadas, sem um acerto formal entre as partes.

Contudo, nos bastidores, o contrato já está finalizado para ser assinado entre as partes. Depois de semanas de negociação para descobrir o melhor caminho, o presidente do Atlético, Daniel Nepomuceno, não renovará contrato com a alemã Puma - que fornece desde 2014 - e escolherá a companhia canadense para um contrato de cinco anos. Os valores, extra-oficialmente, giram e torno de 15 milhões por temporada (R$ 1,25 milhão por mês).