A expectativa é sempre a mesma: os times do interior e da Região Metropolitana de BH esperam chegar o mais longe possível no Campeonato Mineiro, quem sabe, provocando a derrocada de algum clube da capital. Foi o caso da edição de 2020, na qual Tombense e Caldense se enfrentaram em uma das semifinais, enquanto o Cruzeiro acabou eliminado na primeira fase. Naquela ocasião, o time de Tombos chegou à decisão, perdendo o título para o Atlético.

Em 2021, o Gavião Carcará voltou a uma semi, novamente caindo para o Galo. Desta vez, o time quer aprontar novamente. E empolgação – e qualidade – não faltam. No ano passado, o Tombense conquistou o acesso à Série B do Brasileiro. Para 2022, nomes como os dos atacantes Keké, ex-Cruzeiro, e Daniel Amorim estão de volta para reforçar o elenco.

Já o Patrocinense, atual campeão do Troféu Inconfidência, aposta no técnico Cléber Gaúcho, para se dar bem no Mineiro. Por sua vez, o Athletic quer ser a surpresa da vez, tendo jogadores como o meia Danilinho, ex-Atlético, como esperanças em seu plantel.

Os outros clubes do interior também se reforçaram, a fim de buscarem seus objetivos na competição. Alguns pleiteiam uma vaga na próxima Série D do Brasileiro. Há quem veja a permanência na elite mineira como sua principal meta. Em meio a tantos cenários projetados, está o Villa Nova. O Leão do Bonfim, de volta ao Módulo I, espera incomodar como outrora.

Brigar por uma vaga nas semifinais é algo que cada clube do interior sonha. Na prática, é dentro de campo que cada equipe mostrará o que é capaz de atingir na competição.

Tombense

Tombense, do lateral David, busca mais uma boa campanha no Mineiro neste ano