Em várias ocasiões, a diretoria do Atlético e membros dos “4 R’s” enfatizaram que a manutenção da maior parte do elenco do Triplete Alvinegro (campeão do Mineiro, do Brasileirão e da Copa do Brasil de 2021) era o principal desafio e o “grande reforço” para a temporada que está por vir. Dito e feito! Com vários de seus destaques na antológica campanha de 2021 e a chegada de outros candidatos a ídolos da história do clube, o Galo espera, pela terceira vez consecutiva, mostrar que é o dono do terreiro em âmbito estadual – quiçá, nacional, pelo segundo ano seguido.

Para o Campeonato Mineiro, a Massa verá em campo algumas caras novas do plantel. Entre as contratações, o nome mais badalado é o do uruguaio Diego Godín, ex-Atlético de Madrid, Inter de Milão e Cagliari, e que disputou as três últimas Copas do Mundo pela seleção de seu país. Ele chega para suprir o espaço deixado pelo paraguaio Junior Alonso, transferido ao Krasnodar, da Rússia, e com a promessa de ser o novo xerife da zaga atleticana.

Para o ataque, já sem Diego Costa, com o contrato rescindido, o Galo fechou com Ademir, um dos heróis do América na temporada passada, e Fábio Gomes, ex-Oeste e New York Red Bulls. Após passagem pelo Juventude, o meia Guilherme Castilho e o zagueiro Vitor Mendes retornaram ao Alvinegro e serão avaliados na disputa do Mineiro.

Além dessas aquisições, o Atlético segue como favorito ao título do Estadual devido à qualidade dos remanescentes. Entre os que ficaram, estão o zagueiro Nathan Silva, os laterais Mariano e Arana, os meio-campistas Allan, Jair, Zaracho e Nacho, os atacantes Vargas, Keno e Savarino e o super-herói Hulk, artilheiro do Brasileiro (19 gols) e da Copa do Brasil (oito) da última temporada.

Caberá ao argentino Antonio “El Turco” Mohamed, sucessor de Cuca, a incumbência de levar esse elenco ao tricampeonato mineiro.

Atlético