O novo goleiro do Cruzeiro, Rafael Cabral, concedeu primeira entrevista coletiva nesta sexta-feira (21) e falou sobre as expectativas para 2022. O novo arqueiro da Raposa explicou como encara a missão de substituir um dos maiores ídolos da história do clube, o goleiro Fábio.

Confiante, Cabral diz que reconhece a grandeza do ex-cruzeirense, mas que não se sente pressionado. 

“O cara é uma referência. É um cara que admiro muito, mas não encaro como pressão, encaro como oportunidade, prazer e honra de vestir uma camisa de um clube como o do Cruzeiro. Encaro como uma honra ser escolhido pelo Cruzeiro para dar seguimento ao trabalho que ele fez”, explicou.

O goleiro cruzeirense ressaltou ainda que está acostumado com essas sucessões, uma vez que, durante a sua carreira, precisou passar por várias delas. 

“Como goleiro, sempre tive que substituir alguém. Quando comecei no Santos, falavam muito do Fábio Costa, e eu não queria substituí-lo. Queria fazer minha história e acabei sendo um dos goleiros mais vitoriosos da história do Santos. No Napoli, eu estava para substituir o De Sanctis que era o ídolo, um goleiro italiano que tinha muita moral e eu fui lá para construir minha história. Quando eu cheguei no Reading, falaram que seria difícil substituir o goleiro e acabei ganhando como melhor jogador da temporada”, disse.

Rafael Cabral também assumiu ser um fã de Fábio e afirmou que o goleiro é insubstituível.

"Eu não vim pra substituí-lo. Assim como ele não substituiu a história de outros goleiros que passaram por aqui. Eu não vejo como substituição, mas como sucessão”, afirmou.

Leia Mais:
Nova gestão do Cruzeiro aposta em mudança de cultura: ‘apenas camisa não nos levará para a Série A’