Diante do avanço da variante Ômicron da Covid-19, a Federação Mineira de Futebol (FMF) e o Governo de Minas decidiram restringir a capacidade de público nas duas primeiras rodadas do Campeonato Mineiro para 20 mil torcedores. A competição será iniciada em 25 de janeiro.

Não será permitida a entrada de crianças de até 12 anos, uma vez que elas ainda não estão com o esquema vacinal completo. Além disso, todos os torcedores terão de apresentar passaporte vacinal, com as duas doses, ou comprovante de que tiveram a Covid-19 nos últimos 30 dias. O uso de máscara será obrigatório.

A decisão tomada pela FMF e pelo governo estadual, entretanto, terá pouco efeito prático. Nas duas primeiras rodadas do Campeonato Mineiro, Atlético e Cruzeiro já não jogariam no Mineirão  por causa da partida da Seleção Brasileira contra o Paraguai, no Gigante da Pampulha, em 1º de fevereiro, pelas Eliminatórias Sul-Americanas para a Copa do Mundo. 

O Galo confirmou que o jogo contra o Tombense, pela segunda rodada, será disputado no Independência. Já o Cruzeiro ainda avalia para onde levará a partida de estreia, diante da URT.

Na manhã desta quarta-feira (19), o Atlético havia se posicionado de forma contrária à possibilidade de restrição de público nos estádios. O clube justificou seu posicionamento e afirmou que “o futebol não pode ser tratado de forma diferente das demais atividades”.

Cruzeiro e América não se manifestaram. 

Leia também:

Com condenação por violência sexual, prisão de Robinho depende das Justiças italiana e brasileira
Fábio explica por que escolheu o Fluminense e não chegou a acordo com o América