Novak Djokovic

Djokovic estava na Austrália desde o dia 5, mas perdeu direito de disputar o Australian Open por não se vacinar

O sonho de Novak Djokovic de se tornar, isoladamente, o maior campeão de Grand Slams do tênis masculino foi adiado. O tenista sérvio foi deportado e deixou a Austrália na manhã deste domingo (no horário de Brasília).

Djokovic não se vacinou e tentava disputar o Australian Open, um dos quatro principais torneios de tênis. Depois de ter seu visto cancelado pelo ministro da Imigração, Cidadania, Serviços a Imigrantes e Relações Multiculturais da Austrália, Alex Hawke, o tenista teve seu recurso julgado neste domingo (16). A justiça australiana rejeitou a alegação de sua defesa e manteve a suspensão do visto de entrada no país.

A chave principal do torneio de simples do Australian Open começa na noite deste domingo (horário de Brasília), e Novak Djokovic enfrentaria, na primeira rodada, o também sérvio Miomir Kecmanovic.

Imbróglio

O atual melhor tenista do mundo entrou na Austrália em 5 de janeiro. Ele não se vacinou e alegava ter um teste positivo para Covid-19 de 16 de dezembro. Sem respeitar qualquer protocolo sanitário, Djokovic participou de eventos públicos no dia 17, não usou máscaras, cumprimentou crianças e concedeu entrevistas. 

O teste positivo foi o argumento usado pelo tenista para tentar driblar uma exigência do estado de Victoria (onde está situada Melbourne, a sede do Grand Slam) que determina que apenas pessoas vacinadas poderiam participar do Australian Open.

Inicialmente, Djokovic foi parado pela polícia alfandegária e teve o visto cancelado por não apresentar toda a documentação necessária para entrar na Austrália. Porém, ele obteve decisão favorável da Justiça e pôde permanecer no país.

Na última sexta-feira (14), entretanto, o ministro Alex Hawke usou seu poder pessoal para cancelar o visto do tenista.

Uma investigação analisa se Novak Djokovic mentiu no formulário de entrada na Austrália, omitindo informações sobre passagens em outros países pouco antes de viajar para a disputa do Australian Open.

Carta do tenista

Depois de ser obrigado a deixar a Austrália, o número 1 do tênis masculino divulgou uma carta lamentando sua ausência no primeiro Grand Slam da temporada.

"Gostaria de fazer uma breve declaração para abordar os resultados da audiência de hoje no Tribunal. Agora, vou tirar algum tempo para descansar e me recuperar, antes de fazer mais comentários além disso. Estou extremamente decepcionado com a decisão da Corte em negar meu recurso de revisão da decisão do Ministro em cancelar o meu visto, o que significa que eu preciso deixar a Austrália e não poderei participar do Australian Open", disse Djokovic. 

"Respeito a decisão do Tribunal e vou cooperar com as autoridades para deixar o país. Me incomoda que o foco nas últimas semanas tenha sido em mim e espero que agora o foco seja no jogo e no torneio que mais amo. Desejo aos jogadores, ao torneio, ao staff, aos oficiais e aos fãs o melhor torneio”.

"Finalmente quero agradecer minha família, amigos, equipe, fãs e colegas sérvios pelo suporte contínuo. Vocês foram uma boa fonte de força para mim", complementou.