Cruzeiro

No fim da década passada, o atacante Edu dividia suas atenções dentro das quatro linhas: vestia a camisa do Nova Iguaçu, mas, nos fins de semana, atuava nos campos de várzea do futebol mineiro. Três a quatro anos depois, o atacante do Cruzeiro relembra tempos difíceis, que o fizeram evoluir na carreira.

"Eu estava jogando na Segunda Divisão do Rio. E é muito difícil ser bem remunerado naquela divisão. Minha saída era jogar na várzea do interior de Minas Gerais, e todo fim de semana eu estava ali para poder complementar minha renda. Uma fase que valorizo muito, agregou muito na minha carreira profissional”, relembrou.

Edu defendia o Portuense, de Astolfo Dutra, sendo campeão da Liga Atlética Ubaense, na Zona da Mata de Minas Gerais.

“Era um campeonato bem disputado, a gente conseguiu ser campeão no Portuense. Uma experiência diferente e a qual valorizo muito. Me ajudou muito financeiramente, como ser humano e atleta. Só tenho gratidão às pessoas que me deram aquela oportunidade. Três anos depois, estou no maior clube de Minas Gerais e um dos maiores do Brasil, se não o maior. Felicidade muito grande. Estou feliz e realizado", disse.

No ano passado, pelo Brusque, o atacante foi o artilheiro da Série B do Campeonato Brasileiro, com 17 gols.

Leia mais:
Desde chegada de Ronaldo, Cruzeiro tem aumento de 100% no número de sócios-torcedores
FMF confirma datas e jogos do Campeonato Mineiro; Caldense x América abrem a competição