A última partida da Copa do Brasil aconteceu nessa quarta-feira (15), entre Atlético e Athletico-PR, na Arena da Baixada, em Curitiba, e infelizmente foi manchada por atos racistas de torcedores do Furacão, destinados à Massa, como ficou evidente em vídeos divulgados nas redes sociais. O clube alvinegro informou ao Hoje em Dia que a situação será apurada. 

O Rubro-Negro já se manifestou nesta quinta-feira (16), em suas redes sociais: “O Athletico Paranaense tomou conhecimento, através de vídeos publicados nas redes sociais, sobre atos de racismo cometidos na partida de ontem, diante do Atlético-MG”.

Em resposta ao GE, o delegado Luiz Carlos de Oliveira, da Delegacia Móvel de Atendimento ao Futebol e Eventos (DEMAFE) de Curitiba, também se manifestou e afirmou que tem conhecimento das imagens e dos vídeos e que eles serão investigados. 

"Vamos saber em que circunstâncias esses atos ocorreram e, primeiramente, identificar as pessoas e responsabilizá-las, se for o caso. Vimos que se trataram de torcedores do Athletico Paranaense, pois eles estavam com as camisas do clube", disse. 

Os casos

A jornalista Bianca Molina, da Band, esteve presente no momento em que homens imitavam gestos de macacos e passavam a mão no braço, mostrando a pele branca. Ela gravou e postou o vídeo em suas redes sociais. 

“Futebol não tem nada a ver com racismo. Racismo não é zoeira. Racismo não é corneta. Racismo não é mimimi. Racismo é crime. Esses dois homens ficaram parte do segundo tempo imitando macacos e gesticulando de forma pejorativa para torcedores do Atlético, provavelmente, negros”, escreveu. 

Outro vídeo de uma torcedora imitando macacos no camarote do estádio veio a público. Os próprios torcedores do Furacão a repudiaram. Ambos os vídeos viralizaram na internet e estão sendo compartilhados e debatidos pelos torcedores.

Leia mais:

Humildade e trabalho: Everson revela a receita para o sucesso do Galo e mira mais títulos em 2022
Com fogos de artifícios virtuais, Google homenageia o Atlético pelo título da Copa do Brasil