Com pequenas chances de rebaixamento e quase nulas de acesso à Série A, o Cruzeiro começa a traçar o planejamento para 2022. Pelo menos entre o técnico Vanderlei Luxemburgo e o empresário Pedro Lourenço, principal apoiador do clube estrelado.

Nesta segunda-feira (4), os dois se reuniram para tratar dos passos da Raposa para a próxima temporada, especialmente no que diz respeito à montagem e gestão do elenco. O que chama atenção é o fato de que o presidente Sérgio Santos Rodrigues e o diretor de Futebol, Rodrigo Pastana, não participaram da reunião.

Tal situação deixa claro o momento de turbulência vivido entre a cúpula celeste e o maior investidor do clube nos últimos anos.

No último sábado, em entrevista à Rádio Itatiaia, Lourenço fez várias críticas à gestão de Santos Rodrigues, afirmando que se não houver mudanças, ele não vai mais ajudar a Raposa.

Entre os questionamentos do empresário também está o trabalho de Pastana, que, segundo o próprio Lourenço, nem deveria ter sido contratado pelo Cruzeiro.

Salários atrasados

Com relação a Vanderlei Luxemburgo, o assunto que mais vem incomodando o treinador é o atraso no pagamento dos salários dos jogadores e dos demais funcionários do clube. Essa inadimplência também foi criticada por Pedro Lourenço.

O empresário fez um aporte financeiro na chegada de Luxa ao Cruzeiro, em agosto, atendendo exigência do técnico, que sempre destacou a importância de manter os vencimentos em dia. Entretanto, após regularizar parte dos débitos anteriores à contratação do técnico, a diretoria estrelada voltou a atrasar o pagamento dos ordenados.

Desse modo, a garantia de que essa situação seja sanada para 2022 é essencial para a permanência de Luxemburgo, ainda não sacramentada, mesmo com o treinador afirmando publicamente que deseja dar continuidade ao trabalho. 

Leia mais
Luxemburgo afirma que quer continuar na Toca, mas exige jogadores de peso para 2022
Com uma derrota desde retorno ao Cruzeiro, Luxemburgo aponta evolução do time
Contra a atual trinca da liderança, Cruzeiro teve 22% de aproveitamento no primeiro turno da Série B