A brasileira Lúcia Araújo conquistou, na madrugada deste sábado (28), a primeira medalha do judô brasileiro na Paralimpíada de Tóquio 2020. O bronze da judoca paulista veio após derrotar a russa Natalia Ochinnikova, na categoria até 57 kg, por ippon (maior pontuação do Judô).

Com o feito, ela tornou-se medalhista paralímpica pela terceira vez consecutiva na modalidade, depois de ter faturado a prata no Rio em 2016 e em Londres em  2012.

A brasileira chegou à disputa da medalha após ter vencido, na primeira rodada, a argentina Laura Gonzalez, também por ippon, mas acabou sendo derrotada na semifinal por Parvina Samandarova, do Uzbequistão, número 2 do mundo. 

Cícero Nobre garante Bronze em lançamento de dardos

Outra medalha de bronze para o Brasil foi conquistada por Cícero Nobre, após uma final acirradíssima, com direito a sucessivas quebras de recordes paralímpico e mundial no lançamento de dardo da classe F57 (atletas com comprometimento dos membros inferiores).

O próprio Nobre foi o primeiro a superar marcas, garantindo o pódio com 48,93 metros, recorde paraolímpico da categoria. O brasileiro era considerado um dos favoritos após ter se tornado campeão mundial em 2019 com o que, até agora, era o recorde mundial (49,26m).

O paraibano Cícero Nobre, de 29 anos, participa pela segunda vez de uma Paralimpíada. No Rio, em 2016, ele ficou em quarto lugar na mesma prova. 

*Com Agência Brasil

Leia Mais:
Estudo aponta desconhecimento do público brasileiro com atletas paralímpicos do país
Prováveis escalações, dúvidas e desfalques de América e Ceará para o jogo deste domingo
Com dois atletas do time sub-20, Cruzeiro divulga lista de relacionados para o jogo contra o CRB