Na data em que é celebrado o Dia Internacional da Igualdade Feminina, as jogadoras do América divulgaram uma carta direcionada às mulheres afegãs, que vivem momentos de apreensão com a possibilidade real do cerceamento de direitos básicos, com o retorno do grupo extremista Talibã ao comando do país.

Em um vídeo publicado nas redes sociais do Coelho, na tarde desta quinta-feira (26), a volante Leka, quem assina o manifesto, lê o texto em voz alta, lembrando que as mulheres lutam diariamente para provar o seu valor e ter sua liberdade garantida, fazendo um paralelo com o futebol feminino, proibido no Brasil por quase 40 anos.

Na carta, a volante lembra de todos os direitos alcançados pelas afegãs nas últimas décadas, que, apesar de serem indiscutíveis para a maior parte do planeta, estão novamente ameaçados no Afeganistão.

"Nós, as Spartanas (apelido dado ao Coelho ao seu time feminino) do América, estamos acompanhando as notícias sobre os acontecimentos políticos no Afeganistão. Mesmo de longe, nossos pensamentos é de que vocês mantenham os direitos conquistados com tanta luta nos últimos 20 anos. Nenhuma mulher pode ser obrigada a se casar, a aceitar qualquer espécie de violência, pedir permissão para trabalhar e estudar, e ter que andar acompanhada de um homem a todo o momento", disse a jogadora em um trecho do manifesto. 

Leia mais

Juninho quer América 'matando o adversário' e defende trabalho do técnico Vagner Mancini

Estudo aponta desconhecimento do público brasileiro com atletas paralímpicos do país

Daniel Dias fatura mais um bronze e chega a 26 medalhas paralímpicas

Confira o vídeo na íntegra: