Horas depois de a Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) informar a proibição da presença do público nos estádios da capital, o presidente do Galo, Sérgio Coelho, se manifestou sobre a situação, questionando os motivos que levaram ao veto e fazendo um comparativo com outro evento com grande número de pessoas em BH.

Em vídeo gravado neste domingo (22), o mandatário afirmou que foi pego de surpresa com a decisão da PBH, cobra explicações do órgão, mas disse que o Alvinegro vai acatar a ordem.

“Fui surpreendido com a notícia. Mas antes de dar qualquer posicionamento, eu gostaria primeiro de ouvir do doutor Jackson Machado, secretário de Saúde de Belo Horizonte e coordenador do comitê de enfrentamento à Covid-19, as razões para ter proibido. Gostaria também de ouvir o prefeito, não sei se ele vai dar esse prazer para a gente de explicar a decisão tomada por eles. A gente respeita, o Atlético é cumpridor das suas obrigações e sempre será durante o meu mandato”, disse Coelho.

O presidente do Galo gravou o vídeo enquanto estava na tradicional Feira Hippie, realizada aos domingos no Centro de Belo Horizonte.

Aproveitando o gancho da grande movimentação de público na feira, Sérgio Coelho fez um comparativo para questionar a decisão do Executivo municipal sobre o veto ao público nos jogos.

"Sem fazer juízo de valor, eu gostaria de entender (a decisão), porque aqui na Feira Hippie... mais cedo, antes das 11h, havia mais de 30 mil pessoas aqui. Agora, às 13h35, olha como está perto dos botecos. Se não pode ter público no estádio, onde os torcedores vão testados...", completou

Em seguida, o dirigente afirmou que o Atlético vai aguardar esclarecimentos da prefeitura para comentar oficialmente a proibição.

“Aqui (na Feira Hippie) tem mais de 30 mil pessoas, todo mundo sem máscara, a maioria sem máscara. Depois que eu ouvir a explicação, o Atlético se posiciona. Por enquanto, vamos, mineiramente, ouvir o prefeito. Se não ele, o presidente do comitê de enfrentamento à Covid-19. Depois a gente se posiciona”.

Via assessoria de comunicação, a Prefeitura de Belo Horizonte informou, na tarde deste domingo, que o prefeito Alexandre Kalil (PSD) vai conceder entrevista coletiva, na manhã desta segunda, sobre a presença de público nos estádios da capital. 

Críticas

Na última quarta, a vitória do Atlético por 3 a 0 sobre o River Plate, da Argentina, no jogo de volta das quartas de final da Copa Libertadores, marcou o retorno do público ao Mineirão, após mais de um ano e cinco meses.

Entretanto, o evento registrou uma série de descumprimentos dos protocolos sanitários determinados pelas autoridades para a realização da partida, que contou com cerca de 17 mil espectadores.

Grandes aglomerações do lado de fora do Gigante da Pampulha, assim como filas para entrar no estádio, somadas ao alto número de pessoas flagradas sem máscara e sem respeitar o distanciamento mínimo nas arquibancadas, foram as principais irregularidades registradas.

No dia seguinte, em entrevista à TV Globo, Alexandre Kalil se mostrou bastante irritado com os acontecimentos, cogitando a revogação da permissão de público nos estádios da capital, o que se efetivou neste domingo.

Dois dias depois do Galo, foi a vez do Cruzeiro reencontrar seu torcedor. Na vitória por 1 a 0 sobre o Confiança, pela 20ª rodada da Série B, o público foi bem inferior ao do Alvinegro – o borderô da partida ainda não foi divulgado pela CBF –, mas também foram registradas irregularidades no cumprimento dos protocolos.

Leia mais

Mineirão afirma que cumpriu 100% dos protocolos para volta da torcida e pede união para retomada

Cruzeiro afirma que respeita veto da PBH à torcida, mas que estuda levar jogos para outras cidades

Embalado no Brasileiro, Atlético pode bater recorde de vitórias seguidas na era dos pontos corridos