Novo diretor técnico do Cruzeiro, Ricardo Rocha inicia o trabalho na Toca da Raposa II colocando o pagamento em dia dos salários como pilar para a recuperação do time celeste na temporada.

A regularização dos vencimentos, inclusive, foi uma das exigências do técnico Vanderlei Luxemburgo, contratado na semana passada, e responsável por indicar a vinda de Rocha para o clube estrelado.

“É um trabalho árduo e difícil. Se você me perguntar: o Cruzeiro tem hoje uma dívida na Fifa, que tem que ser paga. Com esse dinheiro, você paga até o final do ano os jogadores que temos, prefiro pagar os jogadores. Não adiantar pagar a Fifa e não ter dinheiro pra pagar os jogadores, não ter dinheiro para terminar o ano e contratar jogadores que você não vai ter condição de pagar. Isso não existe”, disse Ricardo, em sua entrevista coletiva de apresentação, nesta terça-feira (10).

No mesmo tom, o ex-zagueiro, campeão da Copa do Mundo com a Seleção em 1994, reforçou a prioridade em regularizar os débitos para poder exigir um bom desempenho em campo, e mostrou confiança para o futuro do Cruzeiro na Série B.

“Você tem que passar confiança a quem está aqui. Isso que nós queremos. Confio nesse elenco. Precisa de mais jogadores? Claro que sim. Agora, se tiver no limite, se não puder contratar, eu fico com esse elenco que eu confio. Vim sabendo que a gente não podia contratar. Se hoje tenho dinheiro para liberar contratação e ter dúvida de pagar o meu elenco, o meu voto é contra (liberar contratação). Eu quero que pague os jogadores e que consiga lutar com os jogadores. Quero todo mundo feliz, para que eu possa cobrar. E confio no elenco do Cruzeiro”.

Na coletiva, o ex-jogador também revelou que existem pendências com os colaboradores, mas que parte dos débitos já foram sanados. 

Sobre a função que vai exercer no Cruzeiro, o dirigente terá como principal missão de fazer o elo entre jogadores, comissão técnica e a diretoria. Apesar do cargo diretivo, Ricardo afirmou que as negociações no mercado continuarão a cargo de Rodrigo Pastana, diretor de futebol da Raposa.

Saída do Z-4

Na 15ª colocação, com 16 pontos, o Cruzeiro conseguiu deixar a zona de rebaixamento na última rodada, ao vencer o Brusque e encerrar uma sequência de nove jogos sem vitória na Série B.

Entretanto, apesar do respiro na tabela, a Raposa está a apenas três pontos do Z-4.

Diante desse cenário, Ricardo Rocha destacou que a prioridade no momento é se afastar das últimas posições da classificação, antes de começar a mirar o G-4.

“Não temos que pensar em ficar entre os quatro, temos que pensar em sair dessa situação difícil. Para chegar entre os quatro, é um caminho longo. Hoje, não estamos no Z-4. Mas você perde um jogo para o Vitória, você volta para o Z-4".

O confronto com o time rubro-negro, a qual Rocha se referiu esta marcado para esta quarta-feira (11), às 19h, no Independência, pela 17ª rodada do campeonato.