O ciclo do técnico Lisca no América pode estar perto do fim. Pressionado pelo mau momento do Coelho, que está há sete jogos sem vencer, e um dos alvos do Internacional, o treinador afirmou que vai se reunir com a diretoria do Coelho nesta segunda (14), para definir o seu futuro.

No Rio Grande do Sul, o nome do comandante alviverde é um dos mais cotados para assumir a vaga de Miguel Angel Ramírez, demitido do Colorado na última sexta.

Em entrevista coletiva após a derrota por 2 a 0 para o Flamengo, no Maracanã, neste domingo, pela terceira rodada do Campeonato Brasileiro, Lisca não confirmou o convite do Inter, mas revelou que um encontro nesta segunda vai tratar sobre o seu futuro e o do clube alviverde. 

“Seria leviano da minha parte (falar sobre o possível interesse do Inter), ainda mais neste momento que o América vem vivendo, nessa dificuldade, nessa entrega que eu venho tendo nesses um ano e quatro meses de trabalho, você chegar e apresentar isso (saída para outro clube) é muito frustrante. Fico feliz pelas especulações, pela valorização do meu trabalho, mas o momento do América, e, obviamente o meu, é ruim, se você olhar o nosso desempenho. Então, não acho correto comentar sobre especulações, situações. Amanhã vamos nos sentar, nos reunir e vamos chegar a melhor solução para todo mundo”, disse o técnico.

Frustração

Derrotado nos três jogos que disputou no Brasileirão, o Coelho segue zerado e nas últimas colocações do torneio.

O início ruim de torneio jogou um balde de água fria em Lisca, que afirmou que tinha ambições maiores para o Coelho na competição.

Diante desse cenário, o treinador, visivelmente abatido, disse que o Alviverde tem um objetivo claro a partir desse momento, e novamente comentou sobre a reunião desta segunda.

“Agora está bem claro, o objetivo do América é tentar permanência (na Série A). Então, quinta-feira é um jogo decisivo. Todos os jogos são, mas contra adversários que estão mais na parte de baixo da tabela, agora são jogos fundamentais. Os mais de cima, hoje não nos preocupamos mais, porque não são concorrentes nossos. Nossa concorrência é tentar bater quatro times, para tentar permanecer. A gente não queria isso, eu não gosto de trabalhar dessa maneira. Toda vez que eu trabalhei para rebaixamento, cheguei com o clube nessa situação, eu nunca tive essa sequência de sete jogos sem vencer na minha carreira e nunca fui lanterna de uma competição. Então, é algo novo para mim também, nós vamos ter que conversar e achar o melhor caminho para todos nós, para o clube, para mim, jogadores, torcida também”.

O duelo decisivo a que Lisca se referiu será diante do Cuiabá, nesta quinta (17), às 16h, no Independência, pela quarta rodada do Brasileirão.

Com um ponto em dois jogos, o time do Mato Grosso teve o confronto pela terceira rodada, com o Atlético-GO, adiado.