Após avançar duas fases na Copa do Brasil e faturar R$ 4,2 milhões de premiação até agora, o Cruzeiro encara a Juazeirense na terceira etapa, tentando uma vaga nas oitavas de final e abocanhar mais R$ 2,7 milhões. Essa grana seria de suma importância para o clube, que vive uma situação econômica delicadíssima e segue com salários atrasados.

Em entrevista nesta terça-feira (1), o goleiro Fábio enfatizou a importância de uma classificação para os celestes, tanto no aspecto desportivo quanto financeiro.

"Sempre importante, dentro de campo, o resultado positivo, mas também ciente de que financeiramente é muito importante para ajudar a equipe, que vive momentos difíceis e precisa honrar seus compromissos. E a Copa do Brasil, neste novo formato, é o campeonato que mais paga. (...) O que mais queremos é jogar bem, passar confiança ao torcedor e, atuando bem, nos aproximar do nosso objetivo que é a classificação para a próxima fase e nos ajudar financeiramente”, afirmou.

O arqueiro disse ainda que, apesar dessa situação incômoda com relação ao atraso de salários, ressalta que vem havendo um diálogo com a diretoria, sempre apta a informar sobre o cenário vivido pelo clube. E afirmou que o elenco está engajado, primeiramente, com os funcionários no quesito honorários.

“O vestiário está sempre bem equilibrado em todos os aspectos. A gente sempre tenta passar uma tranquilidade e conversar com a diretoria e o presidente (Sérgio Santos Rodrigues) para saber a real possibilidade da situação financeira do Cruzeiro. Não só para os atletas, mas também aos funcionários. A gente quer priorizar primeiramente os funcionários, e aí sim resolver a situação dos jogadores. Estamos sempre tendo essa ponte da diretoria com os jogadores e a comissão. Não tem problema anormal. Coisas do cotidiano, coisas que vivi em outros grupos”, comentou.

O Cruzeiro enfrenta a Juazeirense nesta quinta-feira (3), às 16h30, no Mineirão, pela partida de ida da terceira fase da Copa do Brasil.

Cruzeiro

Leia Mais:
Sem Joseph, Cruzeiro confirma retorno de Weverton à zaga para enfrentar a Juazeirense
Depois de 43 anos, Galo tem a chance de vingar diante do Boca a eliminação nas semifinais de 1978
Rômulo garante reação imediata: 'os torcedores ficaram feridos, mas prometemos esforço máximo'