Cruzeiro e Léo encerraram uma relação que durou quase 11 anos. Apesar dos oito títulos, e várias marcas pessoais, o fim dessa trajetória vem com um ar de melancolia, certamente indesejado pelo jogador.

Longe dos gramados desde setembro do ano passado, em razão de um edema ósseo no joelho direito, o zagueiro custeou do próprio bolso um tratamento nos Estados Unidos, que teve duração de dezembro a abril.

Dias depois de se reapresentar na Toca da Raposa II, o defensor foi informado pela diretoria do desejo de romper o vínculo, marcado para encerrar em dezembro de 2022.

Desde então, as partes negociaram os termos para a rescisão do contrato, e o zagueiro sequer continuou o tratamento nas dependências do clube.

Em entrevista ao Globo Esporte, nesta quinta-feira (20), Léo desabafou, afirmando que o Cruzeiro se manteve distante durante todo o tratamento realizado na terra do Tio Sam.

“Não teve um acompanhamento específico dos detalhes, evolução, daquilo que foi feito. Tanto que eu tive que chegar aqui novamente e explicar novamente o que aconteceu. Mostrei vídeos (do processo), estava apto para a iniciar a transição (do departamento médico para a preparação física)”, disse o jogador, que destacou ainda que a decisão da rescisão partiu da diretoria da Raposa.

Em seguida, o jogador, de 33 anos, deu detalhes sobre a rotina nos Estados Unidos.

“Eu entrava às 9h30 da manhã e saia às 21h30.  Era tratamento de manhã, treino à tarde, e fortalecimento a noite. Não tem nada invasivo, não mexe no seu joelho nem nada, é uma correção do corpo inteiro, um processo muito legal.  Foi um custo meu, eu descobri, eu fui atrás. Para minha saúde, que pra mim é a principal coisa, eu não vi outra opção’.

Na mesma entrevista, Léo afirmou que está plenamente recuperado da lesão no joelho direito. 

Questões físicas e técnicas

Em comunicado divulgado no início da tarde desta quinta-feira, o Cruzeiro se posicionou sobre a saída de Léo.

No texto, a Raposa afirma que “minuciosas avaliações de ordens físicas e técnicas” pesaram na tomada de decisão pela saída do jogador.

O clube estrelado afirmou ainda que a opção pelo encerramento do vínculo foi tomada em comum acordo entre as partes, e que o jogador vai receber de forma integral e parcelada, todos os valores a que tem direito.

Lembrando que Léo foi um dos jogadores que aceitou a repactuação salarial, proposta pela diretoria celeste no ano passado, que previa o parcelamento posterior da parte do salário que ultrapasse o teto de R$150 mil mensais estipulado.

Contratado em agosto de 2010 pelo Cruzeiro, Léo atuou em 401 jogos e marcou 22 gols pela Raposa.

Com a camisa estrelada conquistou o Campeonato Brasileiro (2013 e 2014), a Copa do Brasil (2017 e 2018) e o Campeonato Mineiro (2011, 2014, 2018 e 2019).

Leia mais

Títulos, marcas, artilharia e idolatria: confira os números da passagem de Léo pelo Cruzeiro