Para ficar com o título do Mineiro, o América necessita vencer o Atlético, por qualquer placar, no sábado (22), às 16h30, no Mineirão. Uma missão, como atestam os clichês, difícil, mas não impossível. Só que para ser campeão estadual após cinco anos, o Coelho vai precisar montar uma estratégia diferente daquela articulada no duelo de ida, o empate em 0 a 0. E a possibilidade de mudanças no time titular pode estar diretamente relacionada a essa questão.

Em sua entrevista coletiva depois do confronto no Independência, nesse domingo (16), o técnico Lisca admitiu, em poucas palavras, que Ademir tem chance de iniciar o próximo embate. “É possível”, limitou-se a dizer.

O habilidoso e arisco meia-atacante entrou na segunda etapa do jogo de ida e aprontou para cima da defesa do Atlético, inclusive num lance que resultou na expulsão do volante Allan.

Apesar de não ter alcançado o triunfo nessa partida, Ademir crê que o título segue em aberto. “É trabalhar no meio de semana para conseguir vencer o jogo e sair campeão”, afirmou à TV Globo.

O avante foi protagonista de uma polêmica no início da temporada, quando se recusou a ficar no banco de reservas no triunfo por 1 a 0 com o Treze, da Paraíba, no dia 18 de março, no estádio Amigão. O atleta estava negociando com equipes do futebol brasileiro naquele mês (Athletico-PR e Palmeiras) e ficaria impedido de disputar a Copa do Brasil por outro time, caso entrasse em campo pelo Coelho.

Depois de um período de incertezas, Ademir voltou aos planos do América no decorrer da temporada, foi crucial para a virada por 2 a 1 para cima do Cruzeiro, na ida das semifinais, e hoje é uma das esperanças do clube na busca pelo título mineiro. 

América

Ademir foi nome importante contra o Cruzeiro e é uma das esperanças diante do Atlético