A maior qualidade técnica e o direito de jogar por dois empates ou vitória e derrota pela mesma diferença de gols, por ter feito a melhor campanha na fase classificatória do Módulo I, não são as únicas vantagens do Atlético na decisão do Campeonato Mineiro contra o América, que eles começam a disputar neste domingo (16), às 16h, no Independência. Os alvinegros têm uma grande supremacia no retrospecto do clássico neste século.

O confronto deste domingo, no Gigante do Horto, será o 48º entre os dois rivais desde 17 de março de 2001, quando uma vitória por 1 a 0 do Atlético, com um gol contra do volante Claudinei, no Mineirão, pelo Estadual, abriu o duelo neste século.

América Atlético 2021No clássico da fase classificatória deste Campeonato Mineiro, o Atlético venceu o América por 3 a 1, no Mineirão

Nas 47 partidas já disputadas entre eles, são 26 as vitórias atleticanas, 14 empates e sete triunfos americanos. O clássico, a partir de 2001, tem quase quatro vitórias do Atlético para cada uma do América. O percentual é de 55% a 15%. Os 14 empates significam 30%.

Das 20 temporadas completas já realizadas a partir de 2001, eles se enfrentaram em 19. Em 2008, o Coelho jogou o Módulo II do Campeonato Mineiro e o chamado “Clássico das Multidões” não foi disputado.

Dessas 19 temporadas, o Galo teve mais vitórias em 13, e o Coelho em apenas três, sendo que nas últimas dez, isso aconteceu apenas uma vez, em 2015, quando fez 2 a 1, de virada, no único jogo disputado no ano, válido pela fase classificatória do Estadual. Em 2002, 2004 e 2009, ninguém levou a melhor no duelo neste recorte.

Este ano, eles já disputaram um clássico, pela fase classificatória, e a vitória foi atleticana, por 3 a 1, com brilho do meia argentino Nacho Fernández, autor de dois gols.

Mata-matas

A decisão que começa neste domingo será a quarta entre Atlético e América valendo o título do Campeonato Mineiro neste século. Nas três anteriores, o placar é de dois (2001 e 2016) a um (2012) para o Coelho.

Em todas elas, o enredo era o mesmo da atual. A vantagem de dois empates ou vitória e derrota pela mesma diferença de gols era alvinegra.

Em 2001, o Coelho fez 4 a 1, na ida, e garantiu a taça mesmo perdendo a volta por 3 a 1. Em 2016, num cenário idêntico ao atual no que se refere a estádios, ganhou no Independência, por 2 a 1, e empatou no Mineirão, por 1 a 1.

Em 2012, numa decisão totalmente disputada no Gigante do Horto, o Galo, comandado por Cuca, empatou o primeiro jogo (1 a 1) e goleou no segundo (3 a 0). 
Considerando-se todos os confrontos de mata-mata, será o oitavo duelo entre os dois clubes neste século. Aí a vantagem é atleticana, que levou a melhor nas quartas de final, em 2010, e nas semifinais, em 2011, 2014 e 2018.

Sem vencer o Atlético há mais de cinco anos, o América precisa quebrar essa escrita para levantar a taça. Para o Galo, basta conseguir nos clássicos da próxima semana o que aconteceu em 40 dos 47 confrontos deste século, pois esta é a somatória de vitórias alvinegras com os empates, pois duas igualdades são suficientes para o time de Cuca levantar o troféu.