O discurso na Toca II é um só: treinar forte e evoluir cada vez mais para obter o acesso à elite nacional. Nesta quinta-feira (13), o zagueiro Ramon endossou esse coro. Apesar de, na teoria, a edição 2021 do torneio ser mais difícil que a da temporada passada, o defensor celeste acredita que “será o ano do Cruzeiro”.

“Série B difícil, com grandes clubes presentes. Mas temos total consciência de fazer uma competição muito boa. Uma Série B que está praticamente do nível de uma Série A. Jogos grandes, que todos gostam de jogar, apesar de ser numa Segunda Divisão. O Cruzeiro está num nível muito bom. Vamos começar num nível forte para dar tudo certo”, declarou.

Fora da final do Campeonato Mineiro, a Raposa ganhou um período maior de preparação até a estreia no torneio nacional, em 29 de maio, contra o Confiança, às 16h30, no Batistão, em Aracaju (SE). 

“A maioria (dos jogadores do Cruzeiro) já conhece esse estilo de campeonato por pontos corridos. Tem que se começar bem para que o final não seja como o do ano passado. Temos semanas boas de treinamento para aprimorar o que já estamos fazendo no primeiro semestre”, disse Ramon.

Defesa

Um dos poucos pontos positivos do time estrelado na última Segundona foi a defesa, a terceira melhor daquele campeonato, com 32 gols sofridos em 38 jogos – atrás apenas da Chapecoense (21) e do América (23). Manter ou melhorar ainda mais esse desempenho será fundamental nesta nova tentativa de regressar à Série A.

“Não tomando gol, a gente tem a consequência de pontuar. Ano passado foi atípico, com seis pontos a menos (por conta de punição da Fifa). Mesmo com vitórias no início, estávamos na zona (de rebaixamento), e isso acaba atrapalhando um pouco. Esperamos começar bem e que tudo dê certo no fim”, afirmou o zagueiro.

Cruzeiro

Leia Mais:
Possível saída de William Pottker é correção de rota em apostas equivocadas do Cruzeiro
CBF altera data e horário do jogo de volta entre Cruzeiro e Juazeirense pela Copa do Brasil
Matheus Pereira vê Cruzeiro mais preparado para disputa da Série B: ‘Não sabíamos como lidar'