O meia Yeison Guzmán, de 23 anos, principal contratação do Cruzeiro para a temporada 2021, chega à Toca da Raposa II buscando o retorno técnico de Aristizábal e o financeiro de Orejuela, únicos colombianos que tiveram história positiva com a camisa cruzeirense, com o último se salvando até mesmo da queda para a Série B em 2019. Outros seis defenderam a Raposa, alguns chegaram cercados de muita expectativa, mas fracassaram.

Aristizábal foi um dos símbolos da conquista da Tríplice Coroa em 2003. Foi ele o principal parceira de Alex e os 28 gols marcados em 54 partidas, média de 0,51, mostram como foi importante o camisa 9 colombiano naquela caminhada.

arte Guzman

Meia colombiano foi anunciado pelo Cruzeiro na manhã desta quinta-feira

Orejuela foi apenas campeão mineiro com o Cruzeiro, em 2019, e ganhou espaço na equipe num momento de desespero, quando a briga já era contra um rebaixamento que se concretizou. Comprado no final daquela temporada por um parceiro, por cerca de R4 6 milhões, ele foi vendido no início de 2021 ao São Paulo por R$ 14,2, sendo que R$ 700 mil deste valor é o perdão de uma dívida celeste com o tricolor paulista.

O valor é bem abaixo dos R$ 21 milhões pretendidos pelos cruzeirenses quando emprestaram ele ao Grêmio na temporada, 2020, mas de toda forma o retorno alcançado com sua venda foi mais que o dobro do valor investido pelo parceiro na aquisição de 50% dos seus direitos econômicos.

Decepções

As boas lembranças de colombianos na Toca param por aí. Em 2001, Rincón, depois de fazer história no Corinthians e na seleção da Colômbia, chegou ao Cruzeiro numa época em que o clube contratou também Alex, na sua primeira passagem, e Edumundo. O time brigou para não cair no Brasileirão e o volante teve sua saída antecipada.

Antes disso, em 2000, Viveros chegou ao clube carregando a condição de destaque do Deportivo Cáli no vice-campeonato da Libertadores do ano anterior. Não conseguiu sequência e logo deixou a Toca da Raposa.

Diego Árias foi outra grande aposta cruzeirense em 2012 após brilhar no Once Caldas na Libertadores de 2011. Fracassou, assim como o meia Reina, que chegou para a base como grande promessa mas nunca mostrou serviço com a camisa celeste.

Casos estranhos

Há ainda duas históricas estranhas envolvendo colombianos no Cruzeiro. Riascos, que perdeu o pênalti contra o Atlético nos acréscimos, na partida de volta das quartas da Libertadores de 2013, foi contratado em 2015 e nunca rendeu.

O atacante Ivan Ángulo, na temporada 2020, foi contratado duas vezes pelo Cruzeiro, mas disputou apenas uma partida pelo clube.

Agora, Yeison Guzmán, de 23 anos, que se destacou no Envigado, chega na tentativa de resolver um dos maiores problemas do time de Felipe Conceição, que é a armação das jogadas, pois Marcinho e Claudinho não conseguiram mostrar serviço.

O jogador assina contrato com o Cruzeiro até o final de 2025 e chega da mesma escola que revelou James Rodrígues e Juan Quintero. Resta saber qual lista de colombiano ele vai integrar na história cruzeirense.