O Cruzeiro alcançou neste domingo (11) um dos maiores resultados da sua história. O clássico era válido apenas pela fase classificatória do Módulo I do Campeonato Mineiro. A vitória por 1 a 0 sobre o milionário e favorito Atlético, com um gol de Airton, aos 17 minutos do segundo tempo, valeu como título.

Sim, não só por ser o jogo que comemorava o centenário do confronto, mas principalmente pela expectativa de que até uma goleada atleticana acontecesse pela diferença técnica e de investimento entre os dois clubes neste momento.

Airton atacante CruzeiroAirton entrou para a historia do clássico ao marcar o gol da vitória do Cruzeiro neste domingo

Tecnicamente foi um jogo fraco, principalmente no primeiro tempo, mas na etapa final, em que a qualidade da partida subiu, o Cruzeiro foi merecedor da vitória. Marcou o único gol aos 17 minutos, num belo passe de Rafael Sóbis para Airton vencer Everson.

Depois disso, a melhor chance foi ainda cruzeirense, com Bruno José, após mais um passe de Rafael Sóbis.

O resultado impulsiona e anima o Cruzeiro, por tudo o que ele significa, principalmente pela entrega do time de Felipe Conceição, que não foi pressionado por uma das equipes mais poderosas do Brasil e momento algum.

Além disso, a Raposa venceu também no espírito. Brigou por cada bola, por cada palmo de gramado e saiu de campo com o histórico feito de ter vencido o clássico que comemorou o centenário da primeira partida entre eles, em 17 de abril de 1921, um amistoso que terminou com goleada do Palestra Itália por 3 a 0, no Prado Mineiro.

Aviso

No caso do Atlético, a justa derrota tem de ser encarada como aviso, sem dúvida nenhuma. Pela qualidade, o que o time de Cuca mostrou até agora é preocupante.
Era só um jogo pela fase classificatória do Módulo I do Campeonato Mineiro, mas além de ser derrotado pelo rival, que joga a Série B, na bola, perdeu também no espírito. E isso é perigoso para quem tem pela frente a obrigação de encarar Copa Libertadores, Campeonato Brasileiro e Copa do Brasil como um dos favoritos ao título.

Para que isso seja uma realidade, o Galo precisará jogar muito mais, e “brigar” também.

O Cruzeiro volta a jogar na próxima quarta-feira (14), quando faz o jogo único pela segunda fase da Copa do Brasil contra o América-RN, às 21h30, na Arena das Dunas, em Natal. O Atlético só volta a campo no próximo domingo (18), quando encerra a décima rodada da fase classificatória do Módulo I do Campeonato Mineiro recebendo o Boa Esporte, às 16h, no Mineirão.

A FICHA DO JOGO

CRUZEIRO 1
Fábio; Cáceres, Weverton (Eduardo Brock), Ramon e Matheus Pereira; Adriano (Matehus Neris) e Matheus Barbosa (Jadson); Bruno José (William Pottker), Marcinho (Rômulo) e Airton; Rafael Sóbis. Técnico: Felipe Conceição

ATLÉTICO 0
Everson; Guga (Nathan), Igor Rabello, Junior Alonso e Guilherme Arana; Allan (Hyoran) e Tchê Tchê; Savarino, Nacho Fernández e Keno (Marrony); Eduardo Vargas (Eduardo Sasha). Técnico: Cuca

DATA: 11 de abril de 2021
ESTÁDIO: Mineirão
CIDADE: Belo Horizonte
MOTIVO: 9ª rodada da fase classificatória do Módulo I do Campeonato Mineiro
GOLS: Airton, aos 17 minutos do segundo tempo
ARBITRAGEM: Paulo César Zanovelli da Silva, auxiliado por Guilherme Dias Camilo e Celso Luiz da Silva
CARTÃO VERMELHO: William Pottker (Cruzeiro); Hulk (Cruzeiro)
CARTÃO AMARELO: Adriano, Jadson, Rafael Sóbis (Cruzeiro); Igor Rabello, Eduardo Sasha, Hulk (Atlético)