A morte do meia-atacante Alex Apolinário, nesta quarta-feira (7), comoveu o mundo do futebol. Com apenas 24 anos, o jogador não resistiu a uma parada cardiorrespiratória, sofrida no último domingo, durante uma partida pelo seu time, o Alverca, de Portugal.

Em Minas Gerais, Alex teve passagem pelo Cruzeiro, entre 2015 e 2019. Além de atuar pela base da Raposa, atuou em 17 jogos pelo time principal, sem marcar gols.

O principal responsável por trazer Alex Apolinário para Toca da Raposa II foi Bruno Vicintin, então superintendente da base do Cruzeiro.

Em janeiro de 2015, Vicintin foi buscar o meia-atacante no Botafogo-SP, após o jogador se destacar na campanha vice-campeonato da Pantera na Copa São Paulo de Futebol Júnior.

Na ocasião, Bruno afirmou que a boa técnica apresentada pelo jogador, juntamente com a facilidade em bater na bola e a precisão nas cobranças de falta, foram fatores preponderantes para que a Raposa consolidasse o desejo de contar com o atleta.

Luto

Após Alex não se firmar no time principal da Raposa, buscando outros caminhos, e Vicintin passar pelo cargo de vice-presidente de futebol do clube estrelado, o caminho dos dois voltou a se cruzar.

Após deixar o Cruzeiro, Vicintin focou no agenciamento de alguns jogadores, entre eles, o próprio Alex Apolinário.

Nas redes sociais, o empresário revelou que estava presente no estádio quando Alex passou mal, ainda no primeiro tempo da partida, e os momentos de apreensão durante o atendimento ao jogador.

Confirmado o falecimento do meia-atacante, Bruno Vicintin novamente utilizou as redes. Dessa vez, para lamentar a morte de Alex, destacando que o vínculo entre eles ia além da parte profissional.

"Descansa em paz meu amigo, meu irmão, obrigado por cada momento, cada alegria. Me ajude aí do céu a caminhar pelo caminho certo, a cuidar da sua família que também é um pouco minha. Um dia nos encontraremos de novo e vou bater palmas para você como sempre fiz", escreveu Vicintin.