O Cruzeiro foi um dos homenageados na noite desta segunda-feira (25) durante a cerimônia de lançamento do Campeonato Mineiro 2016. Mas para o presidente do clube e da Primeira Liga, Gilvan de Pinho Tavares, a data não foi apenas de festa. Enquanto seguia para o local da solenidade, ele recebeu a informação de que a CBF acabava de divulgar uma nota impedindo a realização da competição organizada por clubes de Minas Gerais, Rio de Janeiro, Santa Catarina, Paraná e Rio Grande do Sul.

Sempre comedido nas palavras, dessa vez Gilvan foi incisivo e demonstrou toda sua insatisfação com a entidade, além de garantir que a Primeira Liga começa mesmo na próxima quarta-feira. “Essas coisas tornam a gente descrente de pessoas que estão lidando com o futebol brasileiro. Isso que está acontecendo é uma vergonha. Estive na sede da CBF várias vezes, os presidentes de clubes se reuniram desde julho duas vezes por mês. Trabalhamos com muita luta para criar a Liga dentro da lei. Fizemos tudo que a lei determina, até nossa tabela nós tomamos o cuidado para não ferir nenhuma regra e ela foi formatada na sede da CBF”, explicou o presidente da Primeira Liga.

Bastante irritado com a postura da CBF, Gilvan disse que não há qualquer possibilidade de os times não entrarem em campo na próxima quarta-feira. “Isso não vai impedir os clubes de fazerem a nossa competição. É uma competição amistosa, os jogos são amistosos. Não há necessidade de nenhuma autorização oficial, nós queremos a autorização oficial para a competição seja um torneio oficial a partir de 2017. A CBF não pode impedir a realização de jogos amistosos que não coincidam com jogos oficiais da CBF”, completou Gilvan.

Como uma resposta à postura da CBF, o dirigente disse que o troco deve ser dado dentro de campo pelos jogadores e torcedores nas arquibancadas dos estádios. “Nós estamos unidos e coesos. Vamos disputar nossos jogos e queremos colocar os estádios com presença do público e da televisão par que o nosso produto esteja ainda mais valorizado no ano que vem. A CBF não pode fazer isso com os clubes, soltar uma nota dessa 72 horas antes da competição. Uma coisa dessa não pode ter partido de gente equilibrada e madura”.

Presidente do Atlético, Daniel Nepomuceno também estava indignado. O Galo recebe o Flamengo quarta-feira no Mineirão e muitos ingressos já foram vendidos antecipadamente. “Eu não discuto mais. Já vendemos os ingressos e estamos esperando o jogo contra o Flamengo. É impossível um posicionamento desse faltando 48 horas para o início da competição. Isso é uma falta de respeito. Não tem o que discutir, a bola tem que rolar”. Resumiu Nepomuceno.