A temporada 2015 ficará marcada para sempre na memória do lateral-esquerdo Fabrício. Apesar de ser titular no Internacional, o experiente jogador, de 28 anos, chegou à Toca da Raposa sob os olhares desconfiados da China Azul, por causa do episódio polêmico no Colorado, quando ofendeu a torcida do clube gaúcho após ser vaiado.

Sem muito espaço com o técnico Marcelo Oliveira, acabou sendo utilizado como meia durante o período em que Vanderlei Luxemburgo esteve à frente do Cruzeiro.

Agora, com Mano Menezes, Fabrício se firma como o principal nome da lateral esquerda, um dos grandes problemas do Cruzeiro em 2015. Além de Fabrício, passaram pelo setor o chileno Mena e o jovem Pará.

“Vim de uma situação complicada na saída do Internacional. Cheguei e comecei a jogar. Depois, tive uma lesão. Eu nunca havia me machucado. A primeira vez que me machuquei foi aqui. Houve oscilações também, mas, quando peguei ritmo de jogo, ataco, defendo e sempre estou batalhando. Para mim, acho que foi um ano positivo”, avalia Fabrício.

A dúvida agora fica por conta do futuro do jogador na Toca da Raposa II. Emprestado gratuitamente pelo Internacional, Fabrício tem contrato com o Cruzeiro até 31 de julho de 2016.

Contudo, caso o clube gaúcho receba alguma proposta do exterior, se não cobrir a ofertar, o Cruzeiro é obrigado a liberar o jogador imediatamente.

Amigo de Fabrício, o técnico Abel Braga já manifestou interesse em levá-lo para o Al Jazira, dos Emirados Árabes.

Adaptado ao Cruzeiro, o lateral já planeja prorrogar sua permanência no clube. “A minha prioridade é permanecer no Cruzeiro. Há a prioridade. Isso é conversado entre Cruzeiro e meu empresário, mas tudo caminhará certo para eu permanecer”, observa.

Despedida

Alheio ao futuro, o que Fabrício espera mesmo é fazer uma despedida em alto estilo com a camisa do Cruzeiro em 2015, contra o Joinville, amanhã, às 17h, no Mineirão.

Como pertence ao Internacional, o jogador deve ficar de fora do compromisso no Beira-Rio, em Porto Alegre, pela última rodada, por causa de um acordo de cavalheiros entre os dois clubes.

“É o último jogo aqui dentro de casa. Não sei se poderei jogar contra o Inter, mas tenho que fazer um bom papel contra o Joinville”, afirma Fabrício.

 

crédito: washington alves/lightpress/cruzeiro
legenda: DONO DA POSIÇÃO – Fabrício teve um início de trabalho difícil no Cruzeiro, mas termina a temporada como titular absoluto

ASSINATURA: